Compartilhamentos

Todos os casos de assaltos, latrocínios e extorsão ocorridos na capital são investigados pela minúscula Delegacia de Crimes Contra o Patrimônio, a DECCP, que funciona no Ciosp do Pacoval. São apenas três delegados comandando três equipes, cada uma geralmente com dois investigadores. Mesmo assim a delegacia alcançou resultados impressionantes se comparados ao desempenho de anos anteriores. Este ano, a DECCP instaurou 236 inquéritos, 353% a mais do que em 2010 quando houve o concurso para a contratação de novos delegados.

O trabalho que pela própria natureza não é fácil, fica ainda mais difícil pela falta de estrutura. Viaturas velhas, salas apertadas, poucos equipamentos de inteligência e o principal e o mais grave: pouco pessoal. Então como foi possível alcançar as estatísticas atuais? Boa parte desse resultado se deve à motivação das equipes, hoje comandadas por um gaúcho, o ex-militar do Exército Glemerson Arandes. Em sua apertada sala na DECCP e sem o tradicional terno que os delegados vestem, Arandes conversou com SelesNafes.com e explicou o significado de uma frase que internalizou e usa como mantra desde que era militar.

 

SelesNafes.Com: Delegado, como o senhor consegue motivar a equipe apesar de tantas dificuldades estruturais?

 

Glemerson Arandes: Fazendo junto! Tem uma frase que eu carrego comigo desde a época do Exército: “Palavras convencem, exemplo arrasta”. Se eu preciso de um preso aqui para prestar depoimento eu não vou esperar o agente voltar de uma diligência para que ele vá buscar o preso lá na cela. Eu mesmo vou lá, algemo o sujeito e trago ele. Tem delegado que defende que isso só seja feito pelo agente. Eu não. Quando a gente tem que cumprir o mandado de busca, por exemplo, eu sou o primeiro a meter o pé na porta. Os agentes percebem esse empenho e me acompanham.

Glemerson Arandes destaca que já foi vítima de ameças.

Glemerson Arandes destaca que já foi vítima de ameças.

S.N.C.: Se o senhor comandasse o orçamento da segurança pública qual seria sua primeira providência para a DECCP?

Arandes: Seria construir um prédio para a delegacia que tivesse cela para trabalhar com o preso em flagrante ou em prisão temporária. O que acontece aqui é que o preso fica tendo contato com outros criminosos. Eles ficam passando informação um para o outro e até dificultando a nossa investigação. A delegacia precisa de uma garagem também. O carro do policial fica exposto, os bandidos ficam vendo de quem é. É complicado. O policial é muito visado. Até na hora de fazer seguro para o carro o valor é mais caro só pelo fato de sermos policiais.

S.N.C.: O senhor já foi ameaçado de morte?

Arandes: Só um episódio que eu considero que foi uma ameaça. Apareceu um gato meu, no meu quintal, cortado em muitos pedaços. Registrei ocorrência sobre isso, mas até o momento não descobrimos de quem foi.

S.N.C.: O senhor pretende fica na polícia vida toda?

Arandes: Pretendo. Tem muito trabalho, e estou há três anos sem pegar num livro de doutrina em função disso. Pra fazer outro concurso teria que sacrificar o trabalho ou a convivência com a família. Acho que temos um salário razoável e pretendo continuar.

S.N.C.: O senhor acha o salário de delegado (R$ 16 mil) justo aqui no Amapá?

Arandes: É bom! Promotor e juiz fazem concurso igual à gente com o mesmo nível de dificuldade, só que eles não vão pra campo. Nós vamos à casa do bandido. Acho que seria mais justo nivelar com os salários deles. Está acontecendo uma elevação do nível salarial em todo o Brasil. No Rio Grande do Sul, quando saí de lá, o salário do delegado era de R$ 5 mil. Hoje vai fechar o ano com em R$ 18 mil. O salário daqui está entre os 10 melhores do país.

S.N.C.: Como senhor veio parar aqui no Amapá?

Palavras convencem, o exemplo arrasta!

“Palavras convencem, o exemplo arrasta!”

Arandes: Nasci em São Pedro do Sul. Depois mudamos para Uruguaiana, na fronteira com a Argentina. Meu pai ganhou dinheiro por lá, adquiriu patrimônio, até que veio o Plano Sarney e todo mundo quebrou. Comecei a trabalhar com 15 anos como empacotador de supermercado, depois numa vídeo-locadora e quando me formei já estava no Exército. Cheguei a pegar a carteira da OAB, atuei em dois ou três processos quando me chamaram no concurso de inspetor da polícia.

S.N.C.: O senhor já resolveu o crime dos militares que invadiram a casa de um juiz (Fábio Santana, que teve a residência invadida por quatro bandidos, sendo dois deles militares do Exército)?

Armas encontrada na casa de um dos suspeitos de invasão a residencia de um Juiz

Armas apreendidas pela delegacia.

Arandes: Os dois militares estão presos. O Assis (não é militar) foi o último a ser preso. Tem mais um solto e já pedimos a prisão dele. Tínhamos um acordo com os presos para uma delação premiada, mas um advogado apareceu e disse que a vida deles estaria em risco. Só que já podemos enquadrá-los em 4 crimes.

S.N.C.: Macapá pode não ser uma cidade tranquila do interior do Rio Grande do Sul, mas não possui crimes na quantidade e modalidades dos grandes centros do país, o senhor concorda?

Arandes: Realmente. Nos roubos onde ocorre a morte da vítima nós fazemos um empenho muito grande mobilizando todas as equipes, fazendo escuta telefônica. Este ano resolvemos todos os latrocínios, com exceção do caso do professor assassinado depois de ter saído do banco (a vítima foi Eduardo Rodrigues Ferreira, de 45 anos, morto por assaltantes dentro do carro na Avenida Feliciano Coelho, no bairro do Trem, em junho deste ano). Este caso ainda está em aberto, mas não por nossa vontade e sim pela demora da Polícia Técnica que ainda não entregou os laudos da perícia.

Compartilhamentos