Compartilhamentos

O Setor de Homicídios da Polícia Civil de Campinas já tomou o depoimento de várias pessoas no inquérito que apura o assassinato do travesti amapaense Ruan Cleiton Madureira de Matos, 26, conhecido como “Grabiely Spanick”. O corpo dele chega à Macapá nesta quarta-feira, 18, por volta das 14hs. O velório será em uma capela particular no bairro Santa Rita.

O travesti foi encontrado morto no último dia 10 em uma estrada deserta da zona rural de Campinas (SP). Ele tinha uma marca de tiro nas costas. A polícia suspeita que a vítima tenha sido apenas desovada, porque não há vestígios que indiquem movimentação de pessoas ou luta no local.

A polícia acredita que o assassino era um cliente de Gabriely Spanick que se mantinha fazendo programas sexuais. Por isso vários clientes conhecidos já foram chamados para prestar depoimento. O corpo do amapaense foi reconhecido por uma amiga que informou à polícia que o travesti costumava ficar dias desaparecido, o que pode dificultar a localização de mais pessoas suspeitas. Por enquanto ninguém foi indiciado pela morte.

Ruan Cleiton saiu do Amapá há quatro anos para buscar trabalho em São Paulo, onde fez cirurgias para a colocação de silicone e redução dos quadris. A família diz não saber que ele fazia programas. A mãe, a funcionária pública Ednilce Matos, 44, tentava há uma semana conseguir apoio para trazer o corpo do filho. “Conseguimos graças a ajuda de amigos”, disse ela. O sepultamento do travesti está marcado para as 17hs desta quinta-feira, no Cemitério São José.

Compartilhamentos