Compartilhamentos

O abandono do prédio do Hospital Metropolitano do Amapá chegou às raias do absurdo na tarde de quinta-feira, 12, quando a Polícia Militar conseguiu impedir que três pessoas conseguissem furtar 171 (é esse número mesmo) janelas de alumínio do local.

As obras do prédio do Hospital Metropolitano de Macapá, localizado na Zona Norte da capital, estão paralisadas desde o ano passado, quando a empresa responsável pelo serviço abandonou a obra por insuficiência financeira para dar andamento à construção. O prédio, que estava 70% concluído, vem sendo constante de saqueadores.

 Na última quinta-feira (12), uma equipe de patrulhamento da Polícia Militar notou a movimentação suspeita de três pessoas dentro do prédio. Após a abordagem, os policiais verificaram que dois homens e uma mulher estavam tentando furtar as 171 janelas de alumínio do local. Tatiane Vieira, 28 anos, Marcos Barbosa, 26 anos, e Jeferson Costa de Carvalho, 38 anos, foram presos em flagrante e conduzidos ao Centro Integrado de Operações da Defesa Social (Ciosp), no bairro do Pacoval, para prestarem esclarecimentos.

As hastes de alumínio das janelas foram retiradas pelos saqueadores

As hastes de alumínio das janelas foram retiradas pelos saqueadores

Existem três contratos firmados com a empresa LMS referentes para prestação de serviços de segurança nos prédios das secretarias de Saúde, Administração e Educação da Prefeitura de acapá . “Há algum tempo estamos notificando a LMS, por falhas e quebra de causas contratuais. Nada é resolvido para solucionar essa problemática”, reclamou o secretário de Obras de Macapá Rogério Cardoso.

A direção da LMS publicou nota dizendo que nunca foi notificada oficialmente pela prefeitura para ocupar o posto de vigilância do Hospital Metropolitano. “Além disso, a prefeitura tem atrasado sistematicamente os pagamentos. Só hoje (sexta-feira) é que o município pagou o mês de outubro”, rebateu Luciano Marba, proprietário da LMS.

A prefeitura está contratando uma empresa que vai fazer um levantamento dos estragos. Uma equipe da Semob irá ao prédio do Hospital Metropolitano esta semana fazer o levantamento do material existente no local, e atualizar os dados referentes aos itens que já foram saqueados.

Compartilhamentos