Compartilhamentos

O juiz Nazareno Haussler, da 2ª Vara do Tribunal do Júri de Macapá, se declarou impedido de dar prosseguimento à audiência de instrução no caso de Caroline Costa de Sousa, 25 anos, acusada de mandar matar o ex-marido Antonio Ciríaco Moreira, de 53 anos. Seria a primeira audiência judicial do processo onde seriam ouvidos a acusada e mais 16 testemunhas.

Antonio Ciríaco era funcionário de carreira da Eletronorte e foi encontrado morto no dia 25 de março de 2013 na residência dele, no bairro Santa Rita. A perícia constatou que a vítima foi estrangulada quando estava com os pés e mãos amarrados. Os criminosos foram flagrados pelas câmeras de segurança de um vizinho deixando a residência e logo depois um deles foi filmado em uma agência bancária na companhia da ex-mulher. “Ela estava em situação difícil e precisou vender um carro que estava no nome do marido. Aí a polícia já apareceu dizendo que ela estava vendendo o carro para esse homem que seria suspeito com a intenção de pagar pela morte do marido. Não tem cabimento isso. Vamos alegar negativa de autoria”, disse o advogado de Caroline o criminalista Maurício Pereira.

Advogado de defesa Maurício Pereira vai alegar negativa de autoria

Advogado de defesa Maurício Pereira vai alegar negativa de autoria

Mas o delegado que conduziu as investigações, Glemerson Arandes, descobriu que Caroline tinha muitas dívidas e pretendia receber o FGTS do ex-marido morto, além de um seguro de vida no valor de R$ 150 mil. Por enquanto ela responde ao processo em liberdade. Os outros quatro suspeitos identificados como o Cleysson Silveira, Jean Diego, Marcelo de Almeida e Rener Lopes continuam foragidos.

Juiz João Guilherme Lages vai assumir o caso depois que o juiz Haussler se declarou impedido de julgar o caso

Juiz João Guilherme Lages vai assumir o caso depois que o juiz Haussler se declarou impedido de julgar o caso

Nesta terça-feira, parentes de Ciríaco fizeram um pequeno ato público para protestar contra a liberdade de Caroline. Com a desistência do juiz Nazareno Haussler o processo foi encaminhado a 1ª Vara do Tribunal do Juri presidida pelo juiz João Guilherme Lages, que marcou a nova audiência de instrução para maio. Só depois da audiência de instrução é que o julgamento poderá ser marcado.

 

Compartilhamentos