Compartilhamentos

A Secretaria de Justiça e Segurança Pública (Sejusp) divulgou na tarde desta sexta-feira, 28, que a Polícia Civil abriu inquérito para investigar a empresa de consórcios Eletro Motos. Em apenas dois dias, 25 pessoas registraram queixa contra a empresa na Delegacia de Crimes Contra o Consumidor.

A empresa oferecia planos de longo prazo para aquisição de bens como computadores e até veículos. A mensalidade de uma moto avaliada em R$ 4,5 mil, por exemplo, ficava em R$ 300. Se o cliente fosse sorteado (os sorteios eram transmitidos por emissoras de rádio e televisão), não seria necessário continuar pagando as mensalidades. O restante seria quitado pela Eletro Motos, o que, segundo a polícia, não vinha acontecendo.

A primeira denúncia foi feita em outubro do ano passado por uma cliente do município de Tartarugalzinho e os casos continuaram aumentando. Segundo a titular da Delegacia de Crimes Contra o Consumidor, que investiga o caso, os escritórios da Eletro Moto começaram a aparecer fechados em todos os municípios onde havia representação. O proprietário da empresa e até os funcionários desapareceram.

A delegacia já começou a tomar os depoimentos dos clientes que se dizem lesados pela Eletro Moto, e a expectativa é de que mais pessoas devam aparecer para registrar queixa contra a empresa. A Delegacia de Crimes Contra o Consumidor funciona no Super Fácil da Zona Sul, na Rua Claudomiro de Moraes.

 

Compartilhamentos