Compartilhamentos

O sambódromo é o palco do carnaval, mas também lugar de ganhar de dinheiro extra. E em meio tantos ambulantes, já tem dono de barraca aceitando cartão de crédito, uma ótima alternativa para quem levou pouco dinheiro para a folia.

O uso do cartão também ajuda a reduzir a possibilidade de assaltos, uma ideia ainda pouco difundida em Macapá. A ambulante Maria Raimunda, de 44 anos, trabalha todos os dias próximo à Praça do Coco com o seu carrinho de batata frita, e foi uma entre dezenas de ambulantes que decidiram trabalhar no sambódromo.

A empreendedora vende batata frita há cerca de quatro anos e se destacou dos demais vendedores pelo simples fato de ofertar mais uma forma de pagamento. A iniciativa surgiu durante um problema de saúde do filho. “Há dois anos meu filho teve que fazer um tratamento em Recife por meio do programa de tratamento fora do domicílio por causa de um estrabismo que poderia deixá-lo sem a visão do lado esquerdo. Meu marido o acompanhou, e após o término do tratamento retornou a Macapá trazendo essa ideia, destacando que no Recife todos tinham essa maquininha, e que até R$ 1 poderia ser passado” explicou Maria.

Na ocasião, a empreendedora estava fazendo um curso no Sebrae e procurou saber mais sobre o uso dessas novas máquinas de cartão. “Assim criei um CNPJ com ajuda do meu marido e desde então trago essa novidade, o uso da máquina de cartão, para atender a todos de forma igual e, claro, tendo um diferencial em meu empreendimento”, concluiu a vendedora.

 

Compartilhamentos