Compartilhamentos

O tenente da Polícia Militar Arlindo Castro Lima, de 47 anos, atingindo por um copo arremessado em um tumulto numa ocorrido no dia 22 de março, no bairro Perpétuo Socorro, já está em São Paulo, de onde deve seguir para Sorocaba para uma consulta no dia 02 de abril no Instituto Banco de Olhos Sorocaba. Ainda há dúvidas sobre se será necessário um transplante de córnea.

Segundo os médicos do Amapá, a agressão ao olho esquerdo havia desenvolvido uma catarata por conta dos cortes proporcionados pelos estilhaços do copo que ficaram retidos na córnea de Arlindo. “Após passar pela cirurgia no Alberto Lima, em que foram retirados os estilhaços, eu retornei ao oftalmologista que me informou que os cortes tinham desenvolvido uma catarata e que provavelmente seria necessário um transplante de córnea para que eu possa retornar a visão do olho esquerdo”, contou Arlindo.

Os médicos não confirmaram se isso seria necessário, e que só com o acompanhamento no Hospital Oftalmológico de Sorocaba teria todos os diagnósticos. “Agora vou esperar esse diagnóstico para saber o que será necessário fazer para ter 100% de ter minha visão intacta novamente”, concluiu o oficial, que está no Hotel da Associação dos Militares de São Paulo.

Apenas os custos com estadia e translado (Associação/Hospital de Sorocaba) estão sendo bancados pela Polícia Militar do Amapá. A outra parte dos recursos é da própria família e amigos que fizeram uma campanha nas redes sociais. A família teve pressa de iniciar o tratamento para reduzir os riscos de perda completa da visão. 

Após receber 50 pontos em sua córnea, o tenente da Polícia Militar foi informado no Hospital da Clinicas Alberto Lima (Hcal) que poderia perder a visão do olho atingido por conta dos cortes internos.

 

Compartilhamentos