Compartilhamentos

A Campanha de Combate ao HPV (Vírus do Papiloma Humano) iniciou em Macapá com 180 meninas vacinadas em escolas e nos quatro postos de atendimento. Mesmo com a sensibilização feita pelas equipes das secretarias municipais de Saúde (Semsa) e de Educação (Semed), cinco pais assinaram o termo de recusa. Segundo a coordenadoria da campanha, o principal motivo ainda é a questão religiosa. A meta é vacinar 14.303 adolescentes do município, ou seja, 95% das meninas dessa faixa etária.

Termo de recusa foi assinado por 5 pais no primeiro dia de vacinação

Termo de recusa foi assinado por 5 pais no primeiro dia de vacinação

As meninas vacinadas têm de 11 a 13 anos e recebem orientações de enfermeiros da Semsa de como usar a caderneta da criança e do adolescente. “A equipe orienta previamente o uso da caderneta, fala sobre as doenças sexualmente transmissíveis (DST), e sobre a importância da vacinação, além do retorno para a segunda e a terceira doses da vacina”, explica a chefe da Divisão de Imunização, Rafaela Silva.

Rafaela Silva, chefe de Imunização: "Nos respeitamos a decisão dos pais. Eles são os responsáveis pelas meninas"

Rafaela Silva, chefe de Imunização: “Nos respeitamos a decisão dos pais. Eles são os responsáveis pelas meninas”

A segunda dose será aplicada dentro de seis meses e a terceira após cinco anos. Na primeira fase, os técnicos de enfermagem vão às escolas e já entregam para as meninas vacinadas a ficha de dados com encaminhamento para os postos de saúde para a segunda e terceira doses. As meninas que estão nessa idade contemplada e não frequentam escolas podem procurar as unidades de saúde Marcelo Cândia, Marabaixo, Perpétuo Socorro e a Policlínica da Unifap.

Termo de Recusa

Na primeira etapa, estão disponíveis para o município 15 mil doses da vacina. Mais de 80 equipes trabalham na orientação e imunização. Mesmo com todos os esclarecimentos aos pais e responsáveis, alguns ainda não aceitam que suas filhas sejam vacinadas. “Os cinco pais que não aceitaram a vacinação nas filhas assinaram o termo de recusa. Eles alegam questões religiosas e que elas não precisam. Nós respeitamos, mesmo porque eles são os responsáveis pelas meninas”, esclarece a chefe de Imunização.

O vírus HPV é um dos principais causadores do câncer de colo uterino. A vacina utilizada na campanha é quadrivalente prevenindo contra quatro tipos da doença. Dois deles correspondem a 70% dos casos de câncer de colo de útero.

 

Compartilhamentos