Compartilhamentos

Um agente de trânsito da Companhia de Trânsito e Transporte de Macapá (Ctmac) foi preso no início da tarde desta terça-feira, 8, suspeito de extorsão. José Alex Barriga dos Santos, de 40 anos, foi detido no momento em que estaria recebendo propina para facilitar a liberação de uma moto apreendida em uma blitz ocorrida na última segunda-feira, 7.

Leonardo Maciel de Almeida, proprietário da moto apreendida, procurou a Polícia Civil dizendo ter recebido o pedido de extorsão. “Após ter a moto apreendida, a vítima recebeu a proposta para facilitar a saída do veículo e então denunciou toda a ação. Então nós o aconselhamos a marcar um ponto de encontro para a realização do pagamento. E o agente foi preso em flagrante no momento em que estava com o dinheiro em mãos”, contou o policial civil que efetuou a prisão, Iranildo Oliveira Maciel.

Advogado José Milton proibiu a imprensa de fazer imagens do agente preso

Advogado José Milton proibiu a imprensa de fazer imagens do agente preso

Essa versão é contestada pelo advogado do agente preso, que proibiu a divulgação de imagens de seu cliente. Para ele, tudo não passou de uma armação para incriminar seu cliente. Segundo essa versão, o rapaz que teve a moto apreendida conhecia o agente e achou que poderia ter a vida facilitada na retirada do veículo. Porém, desde o início o agente José Alex teria recusado a proposta de R$ 500. E que por conta disso, o proprietário teria decidido planejar o flagrante. “Ele ligou para o meu cliente e marcou um ponto de encontro para tirar mais algumas dúvidas sobre o procedimento de retirada de veículos. Contudo, no momento do encontro ele ofereceu o dinheiro novamente, o que foi rejeitado novamente. Então uma terceira pessoa que estava com o rapaz jogou o dinheiro no chão e quando o meu cliente pegou para devolver foi algemado e recebeu voz de prisão em flagrante”, garantiu o advogado José Milton.

Toda a ação foi filmada por uma equipe de reportagem de uma emissora local. As imagens serão usadas no inquérito e, de acordo com o motoqueiro Iranildo Maciel, comprovam a versão de que o agente realizou a extorsão. “As imagens mostram que o agente realmente pegou o dinheiro e que só jogou o dinheiro no chão quando percebeu que estava sendo observado, mas o flagrante já tinha sido lavrado”, concluiu o policial civil.

A Ctmac divulgou nota informando que aguardará o fim das investigações da Polícia Civil. Caso elas apontem para a culpa do agente, a Companhia também abrirá um processo administrativo contra o funcionário que é concursado do órgão.

 

Compartilhamentos