Compartilhamentos

O Tribunal Regional Eleitoral do Amapá (TRE-AP) anunciou oficialmente o fim do recadastramento biométrico em todo o Estado. Pouco mais de 57 mil eleitores tiveram o seu direito ao voto cancelado por não comparecer aos pontos de recadastramento no prazo hábil.

Esse número corresponde a 12% dos 479 mil eleitores cadastrados no sistema do TRE. O município que ganhou maior atenção do órgão foi o Oiapoque, que teve quase 6 mil títulos cancelados de um montante de 18 mil eleitores com títulos cadastrados no município. “Na cidade do Oiapoque houve esse número alto de títulos cancelados. Um fato explicado por uma migração que aconteceu no território amapaense, principalmente por conta das instalações de grandes obras em Ferreira Gomes e Porto Grande. As obras atraíram essas pessoas”, explicou a diretora geral do TRE, Odete Scalco.

Em Oiapoque 40% dos títulos foram cancelados

Em Oiapoque 40% dos títulos foram cancelados. Foto: TRE-AP

Mesmo com número elevado de títulos cancelados, todas as zonas eleitorais do Amapá conseguiram atingir os 80% de títulos cadastrados no sistema biométrico do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), fato que garante 100% do uso da biometria nas eleições que acontecerão em outubro. Além do Amapá, apenas Recife e Alagoas conseguiram garantir o uso integral do sistema biométrico.

Porém, devido ao número grande de faltosos, o TRE estará atendendo as pessoas que já tiveram o título cancelado até o dia 07 de maio, junto com a retirada do título de jovens que completarão a idade necessária para ter direito ao voto até o dia 03 de outubro, data do primeiro turno. “Até o dia 07 de maio o TRE estará atendendo junto com os jovens que estão tirando o seu título de eleitor. Os atrasados que não compareceram na revisão terão de abrir o processo de resgate do título, já que para o TSE os mesmo estão cancelados” acrescentou Scalco.

Após esse prazo, o TRE estará apenas emitindo certidões de quitação eleitoral. “Então caso o eleitor não compareça para reclamar o título até o dia 07 de maio, estará impossibilitado de fazer matrícula em faculdades ou de tomar posse em cargos públicos até a reabertura do processo, programado para janeiro de 2015”, concluiu Scalco.

A estimativa é que o Amapá possa fechar esse processo com aproximadamente 450 mil eleitores.

 

Compartilhamentos