Compartilhamentos

Pelo menos sete casos de hepatite tipo “A” foram registrados este ano no conjunto Hospital de Base, Bairro Buritizal, Zona Sul de Macapá. No ano passado, apenas um caso foi registrado no conjunto. Para evitar o avanço da doença equipes da Coordenadoria de Vigilância Ambiental e Epidemiológica do município realizaram na manhã desta quinta-feira, 29, um mutirão no conjunto. Foram oferecidas consultas médicas, exames, vacinação e educação em saúde.

Todos os casos de hepatite foram registrados em apenas uma rua do conjunto. “Os casos são todos do mês de maio. Estamos com equipes orientando e investigando o que aconteceu na área. Depois dessa visita, vamos elaborar um relatório sobre o que foi constatado aqui”, explicou a diretora do Departamento Municipal de Vigilância Epidemiológica, Marluce Chermom.

Iaci Brito dos Santos não perdeu a oportunidade de tomar vacinas

Iaci Brito dos Santos não perdeu a oportunidade de tomar vacinas

A hepatite “A” é uma doença infecciosa causada por vírus e pode ser transmitida via oral pela ingestão de alimentos ou água contaminados e também de pessoa para pessoa através do beijo. Os sintomas aparecem 30 dias após o contágio. A falta de saneamento básico e a péssima qualidade da água são apontados como fatores principais para o aparecimento desses casos no conjunto Hospital de Base.

Dona Maria das Graças recebe atendimento médico

Dona Maria das Graças recebe atendimento médico

A pastora Glaubete Silva, que disponibilizou a igreja para os atendimentos médicos aprova a ação do município. “Esse é o primeiro passo para a melhoria no atendimento à saúde. Hoje, o atendimento saiu de dentro do posto e veio para a comunidade”. A aposentada Iaci Brito dos Santos saiu de casa para se vacinar. “É muito boa essa interação dos profissionais da saúde com as pessoas nos bairros. Hoje vemos a preocupação deles com os casos de hepatite. Vou me vacinar para garantir minha imunidade”.

Marluce Chermon, da Vigilância Epidemiológica disse que os casos de uma única rua serão investigados

Marluce Chermon, da Vigilância Epidemiológica disse que os casos de uma única rua serão investigados

Na ação ainda houve a distribuição de hipoclorito de sódio, preservativos, panfletos, inspeção dos imóveis, exame de glicemia, procura por casos de dengue, hepatite e coqueluche, além da eliminação de criadouros do mosquito da dengue. A meta era identificar doentes e encaminhá-los para tratamento adequado, além de evitar o surgimento de outras doenças.

Compartilhamentos