Compartilhamentos

A Promotoria de Justiça de Defesa da Saúde Pública está usando um ônibus para atender reclamações das pessoas que estão internadas no Hospital de Emergência. Nesta terça-feira, 13, um promotor e funcionários do MP atenderam várias pessoas, entre elas um homem que está internado há dois meses no HE à espera de uma cirurgia ortopédica. A ação é resultado das constantes manifestações com relação a longa espera por cirurgias e as péssimas condições que os pacientes enfrentam nas enfermarias do hospital. O atendimento começou na segunda-feira, 12, e se estende até sexta-feira, 16, no horário de 9 às 13 horas. Os atendimentos vão gerar um relatório que será entregue à Secretaria de Saúde.

Ônibus do MP Comunitário está estacionado próximo ao HE

Ônibus do MP Comunitário está estacionado próximo ao HE

No início deste mês, os pacientes do HE fizeram uma manifestação e interditaram a Rua Hamilton Silva. Eles reivindicavam mais rapidez nas cirurgias ortopédicas e melhores condições de atendimento. De acordo com o promotor André Araújo, o objetivo do Ministério Público é somar na melhoria do atendimento. “Orientamos as pessoas a virem aqui e contarem às dificuldades que estão tendo. Nós vamos registrar as reclamações e encaminhar para a direção do hospital e para a Secretaria de Saúde para ajudar nas decisões sobre o setor”.

Segundo a equipe do MP, no primeiro dia de atendimento foram registrados três casos mais graves. Mas a demanda maior é de pacientes procurando orientações sobre seus direitos e reclamar da burocracia no atendimento. O vendedor ambulante Adelson dos Santos Silva, procurou o atendimento nesta terça-feira, 13, para saber sobre os direitos de sua cunhada. “Minha cunhada está com um cisto no braço esquerdo. Há um ano ela foi encaminhada para o Hospital de Clínicas Alberto Lima, mas até agora não foi operada. Queria saber quais as medidas que posso tomar”. De acordo com Adelson, a família não tem condições de pagar uma cirurgia particular, que custa R$ 8 mil. Segundo ele, o estado da cunhada é grave, já que o cisto é maligno e a família não sabe o que fazer.

Rômulo deixou o leito e foi ao ônibus do MP

Rômulo deixou o leito e foi ao ônibus do MP

O metalúrgico Rômulo Cezar Gomes Soares, de 43 anos, deixou seu leito no Hospital de Emergência para formular sua reclamação no ônibus do MP. Rômulo está há dois meses internado esperando cirurgia ortopédica. “Ninguém dá informação nenhuma. É uma lista de espera que não anda. Se até a semana que vem eu não for transferido para cirurgia vou para casa”, ameaçou o metalúrgico.

As pessoas que quiserem fazer reclamações devem estar com identidade e CPF. O atendimento está ocorrendo ao lado do HE no ônibus do MP.

Compartilhamentos