Compartilhamentos

Na última quarta-feira, 16, um adolescente de 15 anos foi pego dentro da Escola Cecília Pinto, no bairro do Muca, com uma arma de uso exclusivo da polícia. Uma surpresa para os professores do menor, que já tinha sido expulso de outra escola, mas que dizia está querendo se tornar um homem de bem.

Para a direção da escola o caso chamou muita atenção, porque no segundo semestre do ano passado, quando o garoto chegou à escola transferido da escola Lauro Chaves, também no bairro no Muca, ele tinha escrito uma redação em que afirmava querer mudar  de comportamento e que nunca mais iria envergonhar a sua mãe.

Na redação, o menor contou mais ou menos o que tinha passado na antiga escola. “Ele narrava que tinha se envolvido com gente errada e que por isso acabou por ficar em perigo e deixar a sua família na mesma situação. Um temor que não queria passar novamente. Também contava que agora se tornaria um menino de bem”, contou a diretora da escola, Joseanne Senna.

Menor será transferido de escola mais uma vez

Menor será transferido de escola mais uma vez

Toda essa situação levou a mãe a expulsá-lo de casa, em 2012, por não saber como agir para ajudar o filho a mudar. “Então quando vimos isso ficamos chocados pela situação, principalmente pela melhora que ele estava tendo dentro da sala de aula. Agora, pelas normas de faltas graves cometidas pelos alunos, ele deve ser transferido novamente”, antecipou a diretora.

A descoberta aconteceu por meio de um sistema de segurança instalado no início do ano que leva imagens de várias áreas da escola para um monitor na sala da direção. “Foi uma coincidência, pois estávamos reunidos na direção, justamente falando sobre o sistema, quando vimos o menino mostrando a arma aos colegas. Ficamos nervosos, mas mantivermos a calma e chamamos a polícia militar para contornar a situação”, lembrou Joseane.

A diretora informou que enquanto a PM  não chegava, tiveram que manter o aluno ocupado para evitar com que ele fosse embora, inclusive liberando as redes sociais no laboratório da escola. Segundo os alunos que viram o armamento, o menor informou que iria dar um susto em outro aluno por conta de uma desavença.

Como a ação da polícia aconteceu rapidamente, a situação foi contornada e o menor foi entregue à 6ª Delegacia de Polícia para o prosseguimento das investigações. Na delegacia, o menor informou que a arma era de seu pai, que ainda está sendo procurado pela polícia e já é considerado foragido. A arma tinha sido roubada do carro de um policial civil.

Compartilhamentos