Compartilhamentos

A polícia procura informações que possam levar ao paradeiro da professora Aurivane Neves da Silva, 42 anos, acusada de tentar matar com dois tiros a professora Marineide da Silva Lopes, da mesma idade. O crime ocorreu no dia 9 deste mês na Casa do Professor, no Centro de Macapá. Marineide continua internada, mas segundo os médicos ela não corre risco de morte. De acordo com a polícia a acusada já está foragida há 11 dias.

O delegado Antônio Cardoso (foto acima), responsável pelo caso, disse que pelo fato de Aurivane estar foragida fortalece a tese de que o crime foi premeditado. “Quem não deve não teme. Se fosse em legítima defesa acho que ela já teria se entregado. Pedimos ajuda da imprensa e da sociedade para localizarmos a Aurivane. Quem tiver informações pode ligar para o 190 que terá sua identidade mantida em sigilo”, garantiu o delegado.

Advogado diz que informou à Justiça o paradeiro de Aurivane Neves

Advogado diz que informou à Justiça o paradeiro de Aurivane Neves

Segundo o delegado Cardoso, a tentativa de homicídio foi motivada pelo fato de que Aurivane não aceitava o fim do relacionamento com o ex-marido, Valcinei Rodrigues Pereira. Por conta disso fez várias ameaças à Marineide, atual esposa de Valcinei, que por sua vez registrou inúmeras ocorrências contra a agressora.

Crime ocorreu na Casa do Professor. Polícia acha que uma segunda pessoa ajudou Aurivane

Crime ocorreu na Casa do Professor. Polícia acha que uma segunda pessoa ajudou Aurivane

O delegado afirma que não há indícios de que Aurivane sofra de alguma doença. “O mandado de prisão já foi expedido pela Justiça. Assim que ela for presa será encaminhada direto para a penitenciária”, confirmou Cardoso. A polícia também investiga a hipótese do envolvimento de uma segunda pessoa na tentativa de homicídio. Ele preferiu não revelar, no entanto, como teria ocorrido a participação.

O advogado de defesa Maurício Pereira informou que a professira informou seu paradeiro à juíza que avalia o pedido de revogação da prisão preventiva. “O pedido possui em anexo um laudo psiquiátrico. A condição de saúde dela é delicadíssima”, resumiu o advogado.

Na semana passada, o site SelesNafes.Com foi o único veículo de comunicação a entrevistar a professora que é considerada foragida.

 

Compartilhamentos