Compartilhamentos

Nesta sexta-feira, 6, pela primeira vez na história da educação no Amapá, alunos, professores e a comunidade de cinco escolas estaduais puderam escolher, nas urnas, o diretor, diretor adjunto e secretário escolar. A decisão antes era feita por indicação do governador do estado. Os três nomes mais votados serão encaminhados para ao governo.

As escolas Deusolina Salles Farias, Augusto Antunes, Azevedo Costa, General Gonçalves Dias e Professor Antônio Messias, foram escolhidas para eleger pela primeira vez quem vai conduzir a escola. O projeto partiu da reivindicação dos professores, estudantes e comunidade escolar em 2007. Virou lei em 2010, e hoje passou por seus primeiros testes.

Secretária de Educação do Estado, Elda Araújo

Secretária de Educação do Estado, Elda Araújo

A eleição contou com urnas cedidas pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE) para que o processo fosse o mais real possível. Os candidatos apresentaram propostas e fizeram campanha. “A gestão democrática é a divisão do poder. Eu estou abrindo mão de uma parte desse poder e responsabilidade, e dividindo com a sociedade. Para a educação melhorar é necessário a participação efetiva da comunidade”, ponderou o governador Camilo Capiberibe.

Há pré-requisitos para concorrer. “Os candidatos devem ser professores efetivos que já tenham cumprido estágio probatório, e que já estejam na escola, no mínimo há um ano. Esse processo é desenvolvido com o Sinsepeap e tem 50% da participação da entidade”, explicou a secretária estadual de Educação, Elda Araújo.

Governador Camilo Capiberibe conversa com professores que concorrem na eleição

Governador Camilo Capiberibe conversa com professores que concorrem na eleição. Foto: Agência Amapá

Para os alunos, o processo eleitoral garante a participação da comunidade e isso é importante. “É muito importante essa eleição. Vamos escolher quem realmente vai cuidar da nossa escola e nos representar”, comentou a estudante da 5ª série da escola Azevedo Costa, Jaqueline Vasconcelos Costa, de 12 anos.

Os professores aprovam a iniciativa e afirmam que a participação da comunidade fortalece o vínculo dos alunos e dos pais com a escola. “A gente passa a ter uma democracia diferenciada. Uma gestão que vai mudar a vida da comunidade escolar”, ressaltou a professora Maria Ione Ferreira.

Após o termino do processo eleitoral será encaminhada uma lista tríplice ao governador do estado. Dia 12 deste mês será homologado e no dia 17 tomarão posse nos cargos. O projeto de Gestão Democrática prevê que até 2017 todas as escolas do Amapá elejam de forma direta e democrática seus gestores.

 

Compartilhamentos