Compartilhamentos

A Prefeitura de Macapá começa a dar os primeiros passos para a reabertura do Parque Zoobotânico de Fazendinha, mas que deve acontecer só no segundo semestre de 2015. Nesta quarta-feira, 4, a empresa Ecometals, que vai financiar o projeto de reestruturação do parque – cumprindo um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) firmado com o Ministério Público -, reuniu com o prefeito Clécio Luiz para definir a criação de um conselho de gestão que vai administrar os recursos que a empresa vai destinar ao parque.

Parque foi fechado em 2000. Durante esse período prefeitura perdeu dinheiro federal para revitalização

Parque foi fechado em 2000. Durante esse período prefeitura perdeu dinheiro federal para revitalização

O Parque Zoobotânico foi fechado no ano 2000 por recomendação do Ibama. Naquela época o local já era inadequada para as espécies que ainda vivem lá. Metade dos animais morreu ou foi transferida para o Centro de Triagem do Ibama e outros centros do país. Durante esse período, o município chegou a perder R$ 10 milhões de recursos federais porque não tinha projeto para o parque.

Prefeito Clécio Luiz em reunião com representantes da empresa que financiará o projeto de restruturação

Prefeito Clécio Luiz em reunião com representantes da empresa que financiará o projeto de restruturação

Agora, com a retomada do processo, a esperança retornou ao zoobotânico. O conselho será criado por meio de um decreto municipal e será formado pelo prefeito Clécio Luiz, pelo diretor da Fundação Parque Zoobotânico, Márcio Pimentel, pelo diretor da Ecometals, Paulo Lisboa, e por um representante do Ministério Público do Estado (MPE). “Para darmos transparência ao processo e também garantirmos agilidade nas ações de forma responsável, precisamos da participação do Ministério Público”, ressaltou Clécio.

De acordo com Paulo Lisboa, o investimento será realizado por etapas. A cada fase finalizada será liberado o investimento para outra etapa, com a aprovação da gestão da Prefeitura e do Ministério Público. “Estamos trabalhando nosso orçamento para garantirmos investimentos ao parque e cumprirmos com o Termo de Ajuste de Conduta (TAC), firmado com o MPE”.

Na terça-feira, 3, o consultor contratado, John Gerson, esteve no parque para conhecer o local, os logradouros com animais e assistir à apresentação da planta do parque e o novo projeto de revitalização.  John Gerson comentou que o parque não necessita apenas de investimento para a reabertura, mas também do apoio de instituições públicas e privadas para sua manutenção. Foi o consultor quem pediu a criação do grupo gestor para conduzir o projeto de forma eficaz. Ele também enfatizou que é preciso atenção não só aos animais, mas também à botânica, e à questão das pesquisas científicas.

Mapa mostra pontos do parque que sofrerão intervenção

Mapa mostra pontos do parque que sofrerão intervenção

De acordo com o diretor do parque, Márcio Pimentel, todo o projeto está avaliado em R$ 16 milhões. Mas, para a reabertura do parque em condições mínimas, é necessária a metade deste valor. Cerca de R$ 2 milhões já estão encaminhados, por emendas e recursos do Tesouro Municipal. Por meio de emenda federal, será construída a nova entrada do parque e toda a parte frontal. Já com recursos do município será iniciada, com previsão em agosto deste ano, a construção do novo logradouro das onças. “Agora, com o investimento da empresa Ecometals, podemos dar início ao projeto. Temos os outros logradouros dos animais, a clínica veterinária e a parte administrativa para começarmos. Assim, garantimos que no segundo semestre de 2015 possamos reabrir finalmente as portas do parque para o público”, informou Márcio.

Projeto de revitalização

º

Compartilhamentos