Mulher e filho atropelados durante manifestação pelo aluguel social

Compartilhamentos

Cerca de 30 famílias vítimas do incêndio que ocorreu no bairro Perpétuo Socorro em outubro do ano passado fizeram um protesto na manhã desta terça-feira, 10, na Avenida FAB esquina com a Rua Leopoldo Machado, no centro de Macapá. O principal alvo das reclamações é o atraso do aluguel social que é responsabilidade da Secretaria de Mobilização e Inclusão Social (SIMS). Essas famílias também cobram a isenção do pagamento das prestações dos apartamentos que vão receber no conjunto Macapaba, ou seja, querem receber a moradia sem pagar nada. Além disso, querem receber o auxilio de R$ 3 mil prometidos pelo governo do estado.

O sinistro aconteceu no fim de tarde do dia 23 de outubro do ano passado no Bairro Perpetuo Socorro, Zona Leste de Macapá e desabrigou 397 famílias. Na época a polícia conseguiu descobrir que três usuários de drogas provocaram o incêndio, que começou em um colchão e depois se alastrou até atingir três quarteirões. A maioria das famílias perdeu todos os bens. Algumas pessoas ficaram apenas com a roupa do corpo.

DSC_0832

Atualmente 100 famílias atingidas residem em casas no conjunto habitacional Mestre Oscar Santos, doadas pela Prefeitura de Macapá. Outras 100 moram em casas alugadas pagas pelo Estado e as demais em casas de parentes ou pagando aluguel do próprio bolso. “O governo prometeu o auxilio de R$ 3 mil, mas até hoje essa promessa não foi cumprida. O aluguel social continua atrasado. Outra promessa foram casas do conjunto Macapaba que não sabemos quando vão ficar prontas. Queremos moradia digna o mais rápido possível para essas famílias”, disse o missionário evangélico, Flávio Marcelo da Silva Barreiros, que dava apoio ao movimento.

Audileia Valadares

Audiléia Valadares

Durante a manifestação, a dona de casa Audiléia Valadares e filho dela foram atropelados por um carro. A mulher teve um ferimento na perna sem gravidade e a criança nada sofreu. Apesar do incidente ela continuou na manifestação. “O governador fala que essas casas foram doadas. Eu fui contemplada com uma casa, mas tenho que pagar R$ 75 por mês. Eu não tenho condições de pagar. Nós perdemos tudo no incêndio. Eu estou tão revoltada que nem senti a dor do acidente”.

Raimunda Saraiva das Neves

Raimunda Saraiva das Neves

Raimunda Saraiva das Neves, de 57 anos, mora em uma casa alugada próximo ao conjunto Mestre Oscar Santos. A aposentada conta que está passando muitas dificuldades. “Eu quero uma casa pra morar. Vivo com uma aposentadoria de R$ 500 e ainda tenho que tirar para pagar o aluguel, já que o aluguel social não é pago há meses”, reclama.

Os manifestantes contam que receberam a informação de que o dinheiro do aluguel social está no banco, mas não pode ser sacado porque a Secretaria de Finanças tem que autorizar. “Se não formos atendidos vamos levar o movimento para frente do Palácio do Setentrião”, ameaça Maria das Neves.

Deixe seu comentário
Compartilhamentos
Insira suas palavras de pesquisa e pressione Enter.