Compartilhamentos

A escalada da criminalidade no Amapá parece não ter limites. Nem policiais que tem a função de proteger a sociedade escapam da violência. Na noite desta segunda-feira, 28, dois assaltos quase simultâneos chamaram atenção da polícia e da sociedade por envolverem policiais como vítimas. Um aconteceu na capital Macapá dentro de uma igreja católica, e outro em Santana em um ateliê. Nos dois casos os policias foram vítimas da ação rápida e inesperada de bandidos.

Tenente mantido refém Santana

Tenente mantido refém Santana

A primeira ocorrência foi registrada no município de Santana, distante 18 quilômetros de Macapá. Por volta de 8 e meia da noite, a polícia recebeu a ligação pelo 190 para atender uma ocorrência no Bairro Paraíso, na Avenida Coelho Neto. O tenente da Polícia Militar, Pompeu, dois idosos e uma criança, estavam viraram reféns por dois criminosos. De acordo com a polícia, os bandidos invadiram o ateliê da mãe do tenente que funcionava na frente da residência, renderam todos e exigiam dinheiro.

Waldecson dos Santos Freitas, o assaltante que rendeu o tenente

Waldecson dos Santos Freitas, o assaltante que rendeu o tenente. Foto: PM

Segundo informações do Batalhão de Operações Especiais (Bope), o tenente sob ameaça de morte manteve a calma durante as três horas que foi feito refém. “A operação foi considerada um sucesso. A equipe de negociação do Bope chegou ao local e conseguiu liberar aos poucos as vítimas. Estamos procurando o outro criminoso envolvido”, contou o capitão Kleber Monteiro, que negociou a rendição do assaltante.

Capitão Kleber, negociador do Bope

Capitão Kleber, negociador do Bope

O tenente Pompeu após ser liberado foi encaminhado para o Hospital de Santana. O assaltante preso é Waldecson dos Santos Freitas, de 43 anos, ex-detento do Iapen. Ele saiu há três meses do Iapen depois de cumprir pena por porte ilegal de arma de fogo.

Terror na igreja

Enquanto o Bope ainda negociava a liberação de reféns em Santana, outro assalto foi registrado em Macapá, na igreja São Francisco de Assis, localizada no Bairro Alvorada, em frente à CTMac. Por volta 9 horas da noite, oito pessoas no interior da igreja, entre elas, o sargento da PM Itabaracy (na foto principal com traje de artes marciais), foram surpreendidos por dois bandidos. Os criminosos fizeram um arrastão.

Interior da Igreja São Francisco de Assis, onde o arrastão aconteceu

Interior da Igreja São Francisco de Assis, onde o arrastão aconteceu

Ao revirarem as pertences das vítimas, os bandidos encontraram a arma do policial dentro de um estojo de violão. Ameaçaram matar as vítimas se o dono da arma não assumisse a posse do revólver. Mesmo com o policial assumindo ser dono da arma, os assaltantes puxaram os cabelos das mulheres e bateram nos homens. O próprio policial foi agredido com coronhadas na cabeça. Os vestígios de sangue ainda estavam no piso da igreja pela manhã.

A secretária da igreja, Maria da Silva Lopes, contou que o assalto assustou a todos da vizinhança. “Mesmo estando em frente a um órgão público, aqui não tem segurança nenhuma. Depois de ontem fiquei com medo de trabalhar. Os músicos estão abalados emocionalmente e até pediram licença de um mês para se recuperar do trauma”, contou.

Pistola apreendida no crime de Santana

Pistola apreendida no crime de Santana

Os criminosos trancaram todos no banheiro da igreja e escaparam. No assalto foi levada a arma PT 380, de uso restrito da polícia e o celular do policial. De acordo com a Divisão de Comunicação da Polícia Militar (Dicom), as duas ações são coincidências. “A PM não acredita que isso seja uma represália a profissionais de segurança, foi uma coincidência triste os policiais serem dominados pelos criminosos. Vale ressaltar que a arma é de uso pessoal do policial. Ele pode leva-la onde quiser”, esclareceu o capitão Pedro David.

Compartilhamentos