Compartilhamentos

O resultado do primeiro exame feito no garoto de 13 anos suspeito de ter contraído a febre Chikungunya deu negativo. O menino chegou a Macapá vindo do Caribe para passar férias e apresentou os sintomas da doença. Um segundo exame mais completo foi feito, mas o resultado ainda não ficou pronto. A informação foi dada nesta terça-feira, 22, pela Coordenadoria de Vigilância em Saúde do Amapá (CVS).

Agora a CVS espera o resultado do segundo exame para ter certeza de que o caso não passou de um susto. Duas pessoas já foram internadas com os sintomas da doença, que parecem com os da dengue, porém com dores mais fortes nas juntas, que impede a locomoção da pessoa infectada. Por enquanto nenhum dos casos foi confirmado.

Enquanto o resultado do exame não chega, a CVS junto com as coordenadorias municipais atua com ações de borrifação de veneno contra o Aedes aegypti, que é o vetor da doença. “Sabemos que o controle da doença é mais difícil que a dengue. Por isso estamos atuando em várias frentes para combatermos o vetor, enquanto o vírus chikungunya é apenas temor no Amapá. Esse trabalho tem que ser permanente por conta da fronteira com os países do caribe, que já têm muitos casos diagnosticados”, explicou o chefe da Saúde Ambiental da CVS, Rafael Xavier. 

Se o exame do garoto caribenho der positivo, a CVS acredita que o contágio aconteceu na cidade dele, uma ilha ultra-marinha da Guiana Francesa, conhecida por Guadalupe, onde os casos do chikungunya já estão sendo tratados como epidemia.

COMBATE

No último fim de semana o Departamento de Vigilância AmbientaL da Secretária Municipal de Saúde (Semsa) realizou uma ação de borrifação nos bairros Renascer e Santa Rita, locais onde moram os parentes do garoto que está com a suspeita da doença, para combater o Aedes Aegypti.

Compartilhamentos