Compartilhamentos

Novas promessas de retomada das obras do Hospital Metropolitano são feitas pela Prefeitura de Macapá. Esta semana o prefeito Clécio Luiz (PSOL) recebeu projetos estruturais atualizados da obra, que começou há 13 anos e já está paralisada há oito anos. O prédio está sendo destruído pelo tempo e por marginais que roubaram até as portas que já estavam montadas. Os projetos serão encaminhados à Caixa Econômica Federal para aprovação e concordância do resgate das obras. A expectativa é que os serviços sejam retomados ainda este ano.

Técnicos da Prefeitura informaram que as readequações foram necessárias porque a obra está muito tempo parada, e nesse período houve mudanças na legislação e nos valores de materiais e equipamentos. Foram revistos e reestruturados os projetos de instalações elétricas e hospitalares; atualizadas e modernizadas as instalações da cozinha, da lavanderia, da esterilização, dos projetos do centro cirúrgico e da UTI; e refeitos o tratamento de esgoto e as instalações externas. Tudo teve que se enquadrar às normas técnicas atuais.

hospital

Obra inacaba à 13 anos

A proposta da Prefeitura é que o espaço funcione como Hospital Geral, com estrutura para atendimentos nas áreas de pediatria, cirurgia, clínica geral e obstetrícia, além de emergência de média complexidade. Com uma área de mais de 6 mil metros quadrados, o projeto conta ainda com laboratório de alta complexidade; 58 leitos de internação; centro cirúrgico; 14 leitos de UTI, sendo 8 para pacientes adultos e 6 para crianças; necrotério; setor administrativo; blocos de apoio técnico e logístico; amplo estacionamento; cozinha industrial, dentre outros espaços necessários ao funcionamento de um empreendimento desse porte.

Para avançar ainda mais na conclusão do Hospital Metropolitano, a prefeitura precisa de todo o apoio da bancada federal no aporte de recursos. “O recurso que temos em caixa garante o término da estrutura física do prédio, por isso precisamos de apoio da nossa bancada”, garante Clécio Luiz.

É que o tempo de paralisação também implica em mudanças nas planilhas orçamentárias. Em 19 de julho de 2014, a empresa contratada encaminhou a proposta de reprogramação das obras e instalações de conclusão do Hospital de Clínicas Metropolitano à Secretaria Municipal de Obras e Infraestrutura Urbana (Semob), com planilha orçamentária atualizada no valor de R$ 12,8 milhões. O Município já tem assegurado R$ 5,4 milhões.

Compartilhamentos