Compartilhamentos

As obras do conjunto habitacional do Bairro Congós estão paradas há meses por problemas burocráticos. A construção que começou em 2011 beneficiaria 397 famílias e deveria ser entregue em 30 de setembro deste ano, ou seja, faltam menos de dois meses. Moradores revoltados com a demora ocuparam as casas na semana passada e ameaçam invadir novamente se o prazo não for cumprido. A Secretaria de Estado de Infraestrutura (Seinf) informou que por defasagem no orçamento a segunda parte da obra deve passar por uma nova licitação.

???????????????????????????????

A primeira parte da obra contempla 7 blocos, destes 4 já estão prontos. Nos outros três blocos faltam ser concluídas rede elétrica, pintura, piso e fossas. A paralisação no andamento da obra se deve também ao desequilíbrio do projeto que deve sair do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) para o Minha Casa, Minha Vida.  “O valor das unidades habitacionais é de R$ 39 mil e hoje o Minha Casa, Minha vida paga R$ 62 mil. Isso fez com que o contrato tivesse desequilíbrio. Para resolver isso, o Ministério das Cidades propôs a migração do PAC para o Minha Casa, Minha vida”, explicou o coordenador de habitação da Seinf, Lúcio Lobato.  Na segunda parte da obra, haverá licitação para uma nova empresa concluir as obras dentro do programa Minha Casa, Minha vida.

???????????????????????????????

Eliane Mara Dalmacio

Enquanto a obra caminha devagar, moradores cansados de esperar invadiram 8 casas na semana passada.  De acordo com a dona de casa Eliane Mara Dalmacio, a demora na entrega compromete a vida dela, já que não pode reformar a casa onde vive. “Invadimos uma vez, e se nada for  entregue invadiremos de novo. A minha casa está caindo em cima de mim e não posso fazer nada, nem reformar. O governo só promete que vai entregar, mas quando ninguém sabe”, reclamou.

Judith dos Santos

Judith dos Santos

A deficiente física Judith dos Santos, de 49 anos, se inscreveu em 2007 para receber uma casa. Até hoje a incerteza a incomoda. “Eu fiz minha inscrição porque onde moro será a segunda parte da obra. Até hoje não sei se vou ganhar essa casa. O que sei é que tem um projeto lindo, mas obra que é bom, nada”, disse.

Sueleni Golvei dos Santos

Sueleni Golvei dos Santos

Os moradores reclamam do aumento de violência após a construção do conjunto. Eles pedem que um posto policial seja incluído no projeto para que o espaço não se torne mais perigoso ainda. “Desde que tiraram umas famílias para construir esses apartamentos a violência aumentou. Bandidos de outras ruas já frequentam essa área aqui perto do conjunto, agora imagina quando isso ficar pronto”, contou Sueleni Golvei dos Santos.

A Seinf confirmou que a primeira parte da obra deve ser entregue no prazo previsto, dia 30 de setembro. A secretaria ainda adiantou que a licitação para a nova empresa deve sair dia 18 de agosto.

Fotos: Cássia Lima

Compartilhamentos