Secretaria de Saúde de Macapá contesta ação do MP

Compartilhamentos

A Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) declarou nesta manhã, 7, que já entrou com pedido de contestação sobre a liminar do Ministério Público Estadual (MPE) que impede a contratação de 298 aprovados no processo simplificado. A ação movida pela Promotoria de Justiça de Defesa da Saúde tentar impedir que a secretaria faça a contratação de servidores administrativos aprovados no processo simplificado de março deste ano. A Semsa afirma que o processo é legal e foi acompanhado pela Câmara Municipal de Macapá.

Promotor-Andr_-Ara_jo

Promotor de Saúde, André Araújo

A ação do MPE determina 180 dias para a Prefeitura de Macapá abrir um concurso público e montar um novo quadro de funcionários efetivos para a Semsa. De acordo com o promotor de Saúde, André Araújo, a decisão pretende acabar com as trocas de servidores a cada término de contrato. “Serviços como os da saúde que são urgentes e essenciais devem ser realizados por pessoas concursadas. Mudar constantemente servidores por causa de contratos trazem vínculos precários com a administração”, ponderou o promotor.

Silvana Vedalvele

Secretária Municipal de Saúde, Silvana Vedalvele

A contratação de novos funcionários é resultado da carência de servidores nas unidades básicas de saúde e nos setores administrativos da Semsa. De acordo com a secretária de Saúde, Silvana Vedalvele, o processo foi feito de forma clara e oficial. A contestação se deve a legalidade do processo. “O processo foi organizado de forma legal, inclusive acompanhado pela Câmara Municipal e Ministério Público. A contratação aconteceu em 25 de março e a decisão judicial saiu em junho, então em nenhum momento o município descumpriu a determinação”, explicou a secretária.

No processo foram ofertadas 523 vagas, sendo contratados 298 servidores. A ação é resultante do processo de contratação do início de 2013, através de um contrato simplificado de emergência para contratação de médicos e enfermeiros. Segundo o MP, não há concurso público e o processo da Semsa é considerado ilegal. A ação está tramitando na 6ª Vara Cível de Macapá. Vale ressaltar que qualquer contratação para funcionalismo público deve ser feito por meio de concurso.

Deixe seu comentário
Compartilhamentos
Insira suas palavras de pesquisa e pressione Enter.