Compartilhamentos

O assaltante, traficante e homicida Cley Gomes da Silva, de 40 anos, o “Tourão”, foi transferido para a Penitenciária Federal de Catanduvas (PR), na madrugada da última quarta-feira, 13, anunciou a Secretaria de Justiça e Segurança Pública (Sejusp). A operação de transferência de um dos presos mais perigosos do Amapá foi forte e mantida sob sigilo.

Há apenas 4 penitenciárias de segurança máxima no Brasil: modelo americano

Há apenas 4 penitenciárias de segurança máxima no Brasil: modelo americano. Foto: Portal Brasil

O pedido de transferência foi feito pelo Instituto de Administração Penitenciária (Iapen) no início do ano à Promotoria de Execuções Penais do Ministério Público do Estado. Mesmo preso, Tourão era suspeito de comandar ações criminosas na capital, especialmente assaltos. Dentro do Iapen, Tourão também era considerado chefe de facção.  O criminoso tem penas que somadas chegam a 24 anos de prisão por homicídio, tráfico e porte ilegal de arma.

Tourão é suspeito de ações na capital comandadas de dentro do Iapen. Também é perigo interno

Tourão é suspeito de ações na capital comandadas de dentro do Iapen. Também é perigo interno: Foto: Iapen

Desde 2011, quando foi criado um Núcleo de Inteligência dentro do Iapen, sete detentos já foram transferidos para penitenciárias federais. O Amapá tem direito a 20 vagas em presídios de segurança máxima com tempo de permanência de 360 dias.

Catanduvas é considerado um dos presídios mais seguros do país. “Essas providências são fundamentais para assegurar o aspecto disciplinar da prisão de liberdade, além de garantir…uma medida pedagógica para os demais reeducando (detentos)”, disse o secretário de Segurança Pública, Nixon Kennedy.

Marcenaria de Catanduvas: presos só podem ficar 2 horas por dia fora das celas que são individuais

Marcenaria de Catanduvas: presos só podem ficar 2 horas por dia fora das celas que são individuais

Catanduvas

A Penitenciária de Catanduvas ficou famosa por receber alguns dos bandidos mais perigosos do Rio de Janeiro durante o processo de ocupação das favelas. O sistema penitenciário brasileiro tem hoje 4 penitenciárias do tipo, cada uma com 208 vagas, ou seja, uma cela para cada preso. Durante todo o dia, o condenado tem direito de ficar apenas 2 horas desencarcerado.

Compartilhamentos