Compartilhamentos

Esta semana o Juizado da Infância e Juventude de Macapá realizou uma nova inspeção nas instalações do Centro Socioeducativo de Internação Masculina (Cesein) e descobriu que a situação é crítica. O trabalho foi chefiado pela própria juíza Ilana Luongo. Ela conversou com a coordenadora e alguns técnicos para tomar conhecimento das atividades socioeducativas propostas, a participação dos menores, as condições de trabalho e a estrutura de atendimento.

A juíza, acompanhada de uma equipe de técnicos do Juizado, visitou os alojamentos onde os internos estão acomodados, ouviu cada um deles e fez anotações sobre as reivindicações e as reclamações a respeito das condições em que se encontram.

A equipe do Juizado descobriu que atualmente o número de internos no Centro é bem superior a sua capacidade. Para as condições atuais, o Centro deveria abrigar no máximo 50 adolescentes. Segundo os registros internos, esse número já está próximo de 80, e esse número não para de crescer. De acordo com a direção do órgão, essa quantidade criou ambiente de instabilidade, rivalidade e insegurança.

A juíza Ilana Luongo verificou ainda, que os alojamentos se apresentam em condições precárias e desumanas, em razão do vandalismo e da depredação, associado a falta de manutenção e descuido por parte da FCRIA.

Em tom de desabafo a magistrada disse aos menores: “Não é admissível que vocês cobrem melhorias quando vocês destroem o que já foi feito”.

Para ela, a solução está distante de ser concretizada, e afirma: “o Judiciário busca por meio das inspeções, direcionar os encaminhamentos aos órgãos responsáveis para que cumpram as providências apontadas, contudo, verificamos que a situação de gravidade está se acentuando, com as constantes ameaças de rebeliões e tentativas de fuga”.

Foto: Tjap

 

Compartilhamentos