Compartilhamentos

Na manhã desta quarta-feira, 17, em audiência no Fórum Leal de Mira, a Companhia de Trânsito de Macapá (CTMac) questionou as planilhas apresentadas pelo Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros (Setap), que defende reajuste imediato da passagem de ônibus na capital passando de R$ 2,10 para R$ 2,75.  O pedido foi negado pela Justiça. Mas a CTMac e o Setap têm até 30 de outubro para apresentar nova planilha com seus respectivos valores ao Ministério Público Estadual, que deve nomear um perito para analisar os custos. Enquanto isso, a tarifa continua em R$ 2,10.

 De acordo com a CTMac, os custos do sistema apresentados pelo Setap são abusivos. “Verificamos que vários itens estão superfaturados. Além disso, não aceitamos o número absurdo gasto com pessoal, encargos, gerentes de empresas e manutenção de veículos”, disse a diretora-presidente da Companhia, Cristina Baddini. 

Em Macapá, cinco empresas prestam serviço de transporte de passageiros com  188 carros. Desse total, 70% possuem elevadores para cadeirantes. A CTMac questiona, principalmente, os custos de manutenção dos veículos, de pessoal por ônibus e combustível. O representante e diretor de bilhetagem do Setap, Artur Soutão, não quis comentar o assunto com a nossa equipe.

A proposta do Setap é que a tarifa de ônibus aumente para R$ 2,75 para custear os valores do sistema de transporte da capital. Enquanto a Justiça não conclui o processo, o Setap pediu uma antecipação de tutela para R$ 2,50, que também foi negada pela 5ª Vara Cível de Macapá.

Uma nova audiência deve acontecer, mas ainda sem data definida.

Compartilhamentos