Compartilhamentos

Já passou de 100 o número de casos suspeitos da febre chikungunya no município de Oiapoque, localizado a 590 quilômetros de Macapá. Os números subiram de 11 para 147 suspeitas em menos de uma semana. Isso representa uma média de 20 casos por dia. Técnicos do Ministério da Saúde já estão no Amapá para ajudar no combate a doença repassando instruções para agentes de endemias, enfermeiros e médicos, de como agir com os pacientes.

Chefe da Divisão de Epidemiologia da CVS, Iracilda Costa

Chefe da Divisão de Epidemiologia da CVS, Iracilda Costa

Segundo a Coordenadoria de Vigilância em Saúde (CVS), os números altos estão relacionados com a proximidade do município de Oiapoque com a Guiana Francesa, local em que os números de casos confirmados têm crescido bastante. “Após a confirmação do primeiro caso não importado da doença, ou seja, pego dentro do Estado, começamos a monitorar os casos da Guiana Francesa, que até a sexta-feira passada (19) já tinha 75 casos confirmados da doença. Agora temos que intensificar a fiscalização no município da fronteira para evitar que a doença faça novas vítimas no Amapá”, explicou a chefe da Divisão de Epidemiologia da CVS, Iracilda Costa.

Em todo o Estado já são 164 casos suspeitos da doença, sendo 15 Macapá, 2 em Santana e os 147 no Oiapoque. Por esse motivo a CVS pede a ajuda da população no combate a proliferação do vírus que é semelhante ao da dengue. “Quando tínhamos apenas dois casos confirmados, ambos importados, estávamos pedindo para as pessoas que viajam para o Platô das Guianas que tomassem cuidados. Porém, agora o combate é interno. Pois a doença já se apresentou de forma não importada no Amapá e a população deve se precaver usando mais calças Jens, fazendo uso de repelentes e em casos de suspeita da doença ficar a maior parte do tempo em casa, para impedir que o mosquito lhe ferre e espalhe a doença a parentes e vizinhos”, acrescentou Iracilda.

Cartaz de informações sobre a doemça

Cartaz de informações sobre a doemça

De acordo com a coordenadora, as pessoas com a febre chikungunya devem tomar alguns cuidados para evitar que peguem outras doenças que agravem o estado de saúde, o que pode levar ao óbito. Segundo o site de jornalismo Agência Brasil, já ocorreram 33 mortes confirmadas de pessoas com a doença nas regiões das Antilhas, na América Central e das Guianas, na América Latina.

Para aumentar a prevenção, na semana que vem o Ministério da Saúde enviará mais três técnicos em combate da doença. Um técnico especializado treinado pelo próprio Ministério e dois médicos com experiência no combate a doença em outros países. Todos vão ministrar capacitação a agentes de saúde, endemias e médicos amapaenses.

Compartilhamentos