Compartilhamentos

Dois policiais militares foram presos pela Polícia Civil na manhã desta quinta-feira, 4, acusados de vender carteiras de habilitação e retirar multas de trânsitos no sistema do Departamento de Trânsito do Amapá (Detran-AP). Os militares estão sendo investigados há um ano pelo Núcleo de Operações e Inteligência (NOI). Com eles foram apreendidos documentos que, segundo a polícia, comprovam corrupção ativa, passiva e estelionato.

De acordo com a Polícia Civil, o cabo da PM Ivan Gomes da Silva, vendia carteiras de habilitação à motoristas que não queriam fazer provas e passar legalmente pelo processo. Enquanto outro cabo da PM, Evaldo Vasconcelos da Silva, atuava como despachante de documentos em troca de suborno. “O caso foi denunciado há cerca de um ano por pessoas que pagaram pelo serviço, mas não receberam a CNH. Além disso, descobrimos que eles também retiravam multas e agilizavam documentos dentro do Detran”, explicou o delegado que cuida das investigações do NOI, Cesar Ávila.

Cabo da PM Ivan Silva vendia as CNHs, segundo a Polícia Civil

Cabo da PM Ivan Silva acusado de vender as CNHs, segundo a Polícia Civil. Foto: Sejusp

Segundo as investigações, os crimes aconteciam desde agosto do ano passado, quando os militares foram prestar serviços no Detran. Junto com eles foram apreendidos documentos que seriam despachados, tais como, Carteiras de Identidade, lista de pagamentos de procedimentos. A polícia ainda não fechou a conta, mas estima que cerca de 30 pessoas tenham pagos mais de R$ 400,00 cada, para ter documentos retirados ilegalmente pelos militares.

Os militares não quiseram falar sobre as acusações. Os dois foram encaminhados para o Instituto de Administração Penitenciária (Iapen), mas como são militares, vão aguardar decisão do Comando Geral da Polícia Militar.

 

Compartilhamentos