Compartilhamentos

Apesar de alto, o Tribunal Regional Eleitoral do Amapá (TRE-AP) considera normal o número de abstenções no segundo turno das eleições majoritárias. Dos mais de 455 mil eleitores, 66.288 mil não compareceram às urnas para votar, quase 15% do total de eleitores. Mas foi o número de votos nulos que mais assustou. Ao todo, 20.482 amapaenses foram às urnas somente para anular o voto para governador do Estado.

Presidente do Tribunal Regional Eleitoral, desembargador Raimundo Vales: eleitor insatisfeito

Presidente do Tribunal Regional Eleitoral, desembargador Raimundo Vales: eleitor insatisfeito

No primeiro turno, 407.846 mil eleitores votaram no Amapá, cerca de 89,56% do total de eleitores. O número de abstenções foi de 47.522 mil, além de 5.042 votos em branco (1,24%). Ainda no primeiro turno, 13.466 eleitores anularam o voto (3,30%).

Já no 2º turno, o número de eleitores que compareceram às urnas foi bem menor, 389.080, ou seja, 85,44% do total. Foram registrados 66.288 abstenções, cerca de 14,56%; 4.946 votos foram brancos (1,27%) e 20.567 foram anulados (5,29%). “A expectativa de abstenções era maior. Mas, nós estamos dentro da margem de 15% do Brasil. O que chama atenção é o aumento de votos nulos. É o maior da história do Amapá. Os eleitores nulos superaram os votos em branco. Isto é um sinal claro de cientistas políticos que as pessoas não estão satisfeitas com as opções de candidatos”, disse o presidente do TRE-AP, desembargador Raimundo Vales.

Apesar do alto número de abstenções e votos nulos, o TRE considera normal o segundo turno das eleições. “Esse segundo turno foi um sucesso de apuração de votos e rapidez nos resultados. A nossa logística funcionou muito bem relocando seções e garantido mais isonomia nesse pleito”, finalizou o desembargador. O TRE montou 1.461 seções eleitorais no Amapá.

Compartilhamentos