Compartilhamentos

O candidato ao Governo do Estado, Bruno Mineiro (PT do B), também precisou se posicionar depois que mensagens espalhadas nas redes sociais deram conta de que ele havia desistido da candidatura após a divulgação da última pesquisa do Ibope. Abaixo a íntegra da nota.

NOTA A IMPRENSA

A Coligação “Unidos pelo Amapá que queremos”, composta pelos partidos PT do B, PV, PSDC, PROS, PEN, PR, PHS, PRB e PTN e, que tem como candidato a governador Bruno Mineiro(PTdoB) e sua vice, Aline Gurgel(PR), vem a público, esclarecer que:

Sobre uma carta postada em redes sociais, atribuídas aos candidatos sobre suposta renúncia, É FALSA,  e não condiz com a postura da coligação e sua militância, que segue firme com o propósito de eleger Bruno Mineiro governador do Amapá.

Quanto à publicação apócrifa, cuja autoria sequer tiveram coragem de assumi-la, a coligação lamenta profundamente que tenham dado publicidade nas redes sociais, sem a autoria assumida, próprio do caráter de pessoas irresponsáveis.

A assessoria jurídica da coligação já está tomando as medidas necessárias que o caso requer, pois segundo o novo marco da internet, juntamente com os novos ditames da campanha eleitoral on-line, é vedado o escárnio público de qualquer candidato, sendo punível na esfera eleitoral, civil e criminal não só quem realizou a calunia, difamação ou falsidade ideológica, mas também quem propalou tal fato.

A Coligação esclarece ainda que, em momento algum manifestou apoio a nenhum partido, coligação ou candidato, com relação à segundo turno, por respeito ao eleitor e o processo eleitoral.

A Coligação “Unidos pelo Amapá que queremos” acredita na boa política e nos bons políticos  e continua com sua missão reafirmando a candidatura de Bruno Mineiro 70, candidato ao Governo do Estado do Amapá.

A coligação repudia atos desta natureza, por entender que além de criminosos, tais atos prejudicam o processo democrático em que vivemos.

 

 

Compartilhamentos