Compartilhamentos

Depois de um bombardeio de boatos na rede social Whatsapp, a coligação “Unidos pelo Desenvolvimento, pela Paz e pela Vida” (PSD, DEM, SD, e PSDB) divulgou nota desmentindo que exista acordo para que Davi e apoie Camilo (PSB) no segundo turno da corrida pelo Governo do Estado. A nota reafirma o compromisso entre Davi e Lucas.

As mensagens espalhadas pelo Whatsapp afirmam que Davi teria se encontrado na madrugada deste sábado, 4 com o governador Camilo Capibeirbe na residência oficial, e lá teriam selado um pacto visando o segundo turno.

A nota da coligação de Davi, lembra que o candidato ao Senado está isolado em um retiro espiritual desde as 18 horas da última sexta-feira, 3, seguindo o ritual sagrado judaico chamado Yon Kipur (Dia do Perdão). Abaixo a íntegra da nota:

NOTA

Ao contrário do que foi espalhado nas redes sociais sobre um acordo entre Davi e Camilo durante esta madrugada, a coligação “Unidos pelo Desenvolvimento, pela Paz e pela Vida” tem as seguintes considerações a fazer

1) Davi Alcolumbre está desde às 18 horas da última sexta-feira, 03, em retiro espiritual com toda a sua família, seguindo a tradição judaica do Yon Kipur (Dia do Perdão), o que requer isolamento total até por telefone durante 24 horas. Não houve esse encontro na madrugada com nenhum outro candidato;  

2) A coligação reafirma o compromisso de Davi 255 com Lucas 55 para o segundo turno da campanha pelo Governo do Estado do Amapá e nega a existência de qualquer acordo para apoiar outra candidatura ao governo

3) Davi e Lucas são amigos e parceiros de ideologia política há muitos anos, e sempre caminharam juntos nesta campanha. Não seria agora, quando existe a chance real de retirar o Amapá de 20 anos de atraso, que esta parceria seria dissolvida.

4) Esse tipo de estratégia, covarde e rasteira, é a marca do grupo do atraso que sem emissoras de rádio e televisão que tiveram sinal suspenso pelo TRE, agora se utilizam das redes sociais.  Outros boatos como esse serão espalhados nas próximas horas, por isso, todos que desejam um caminho seguro para o Amapá precisam se manter firmes e desmentir o grupo do atraso. Chega de Sarney, Gilvam e PMDB no Senado. 20 anos de atraso já deu!

Compartilhamentos