Compartilhamentos

O Tribunal Regional Eleitoral do Amapá (TRE-AP) considera tranquilo este segundo turno das Eleições Gerais 2014. Na Casa da Cidadania o movimento foi normal para os 287 eleitores que requisitaram o voto em trânsito no Estado no segundo turno. O voto é para as pessoas que não residem em seus domicílios eleitorais por motivo de trabalho ou viagem.  Os eleitores do voto em trânsito têm direito apenas na escolha do presidente e vice-presidente da República.

Maurício de Almeida, paraense, vai transferir o título para Macapá

Maurício de Almeida, paraense, vai transferir seu Título para Macapá

No Amapá, 312 eleitores solicitaram o voto em trânsito para o 1º turno, mas somente 271 votaram. Desse total 261 escolheram seus candidatos, três votaram em branco, sete nulos e 41 faltaram. Neste segundo turno o número de eleitores foi menor, 287. “Muitos eleitores nos procuraram para votar neste segundo turno sem ter feito a solicitação. Sem a solicitação antecipada ele não puderam votar. Nesse caso eles terão que justificar o voto, mas nada fora do nosso previsto”, afirmou a chefe de Cartório da 10ª Zona Eleitoral de Macapá, Ana Bela.

José Maurício Santos, carioca, exerce o direito ao voto

José Maurício Santos, carioca, exerce o direito ao voto

A votação ocorre normalmente durante este domingo na Casa da Cidadania, seção 352 da 10° Zona Eleitoral de Macapá. Para o carioca José Maurício Santos Lima Cardozo, de 54 anos, que esta longe de casa há 4 anos é importante exercer o voto. “É um exercício de cidadania. Eu tenho que participar das eleições do meu país. Aqui decido o rumo da nação nos próximos anos”, disse.

Segundo o paraense Maurício Macedo de Almeida, de 28 anos este é último ano que vota em trânsito. “Moro em Macapá há cinco anos. Já trabalho e estudo aqui. Na verdade, essa terra já é um pouco minha. Vou mudar meu endereço eleitoral para cá nos próximos anos”, garantiu Maurício, que é mototaxista.

 

Compartilhamentos