Compartilhamentos

Mesmo recebendo tratamento no Parque Zoobotânico de Macapá, o jacaré-açu de 3,80 metros capturado no município de Calçoene na última quarta-feira, 22, não resistiu aos ferimentos. A fêmea morreu na noite de terça-feira, 28, dentro do parque. Ela pesava 400 quilos. Segundo a avaliação veterinária o animal estava bastante debilitado. Durante a captura ele foi ferido por três tiros na cabeça, além de ter sido golpeado com um arpão pelo menos cinco vezes.

A fêmea foi capturada por determinação da Justiça de Calçoene porque havia o risco de ataques a crianças que tomam banho no rio. Segundo o diretor do Parque Zoobotânico, Márcio Pimentel, o animal ficou muito debilitado por causa do método de captura e ainda passou horas amarrada antes e durante o transporte para Macapá. “Ela estava muito machucada. Ainda chegou sangrando aqui no Parque. Durante a captura ela fez muita força, foi alvejada três vezes, ferida de arpão e ainda foi imobilizada”, disse.

Com quase 4 metros, Jacaré ficou muito ferido durante a captura

Com quase 4 metros, Jacaré ficou muito ferido durante a captura

Os biólogos confirmaram que a fêmea com mais de 20 anos estava grávida. O jacaré estava desde sexta-feira, 24, em um logradouro de 180 metros quadrados, com lago artificial e algumas árvores. O réptil estava sendo alimentado e recebia visitas de uma veterinária.

A bala alojada na cabeça do animal ainda não havia sido retirada, de acordo com o superintendente do Ibama, Cezar Guimarães. “As feridas de arpão no corpo do animal já estavam sendo tratadas. Mas à bala no crânio ainda não tinha sido tirada pela complexidade da remoção. Temos a informação que havia dias que ela já vinha dando sinais de exaustão”, explicou o superintendente.   

 

Outro animal

O Ibama já confirmou que outro jacaré está aparecendo na orla do município que fica a 360 quilômetros de Macapá, no rio Calçoene. A denúncia foi feita por moradores que afirmam que o réptil já foi ferido com tiros.

Uma equipe do Ibama já faz o monitoramento em Calçoene. “Já temos uma equipe fiscalizando. Inclusive, temos o conhecimento de que esse outro animal mede sete metros. Não confirmamos ainda se é jacaré-açu, já que a fêmea desta espécie e bem maior que o macho. Mas estamos averiguando”, garantiu o superintendente do Ibama, Cezar Guimarães.

 

Compartilhamentos