Compartilhamentos

Os estudantes da Universidade Federal do Amapá (Unifap) decidiram nesta sexta-feira, 21, aceitar a proposta de auxílio da reitoria da universidade enquanto durar a interdição do Restaurante Universitário (R.U). Segundo o documento encaminhado ao Diretório Central dos Estudantes (DCE), os alunos receberão auxílios entre R$ 6,30 e R$ 12, 60 e até o fim do semestre. O dinheiro servirá para custear refeições dos estudantes que antes eram oferecidas pelo R.U.

A primeira proposta de auxílio feita pela administração da universidade era de R$ 8,00 para 965 acadêmicos inscritos em programas de assistência estudantil. Mas os alunos não aceitaram, alegando que o valor, além de insuficiente, não beneficiava todos os estudantes necessitados. “Nos esforçamos ao máximo para atender os estudantes. Aquele que precisa do RU e está no nosso cadastro receberá o valor total de R$12,60, mas aquelas pessoas que tem bolsas parciais, receberão R$6,30”, explicou a reitora na Unifap, Elaine Superti.  No RU, qualquer estudante, independentemente de estar cadastrado, poderia se alimentar pagando apenas R$ 1,50.

R.U. continua interditado. Auxílio vai beneficiar mais de 2,6 mil estudantes

R.U. continua interditado. Auxílio vai beneficiar mais de 2,6 mil estudantes. Fotos: Cássia Lima

O DCE conseguiu aumentar o número de estudantes que serão beneficiados. Ao todo, 2,660 alunos receberão o auxílio da Unifap: 965 alunos receberão R$12,60 e 1.705 receberão R$ 6,30. O dinheiro será depositado na conta dos alunos. A Unifap terá um gasto de cerca de meio milhão com o auxilio aos estudantes. “A proposta teve um avanço, mas ressaltamos que ainda não é o ideal. Vamos acatar essa proposta, mas se o RU não estiver funcionando no primeiro dia do semestre de 2015, nós não vamos ter aula na Unifap”, declarou a coordenadora geral do DCE, Benedita Sardinha.

Apesar da decisão, a proposta da reitoria não esclareceu em que data serão pagos os auxílios e nem quando pretende atualizar o cadastro dos beneficiários. O R.U. continua interditado. Um laudo da Vigilância Sanitária, que deve ser divulgado até o fim do mês, deve concluir o que fez mais de 50 alunos passarem mal depois de almoçar no restaurante.

Compartilhamentos