Compartilhamentos

Os assaltos a ônibus em Macapá motivaram uma reunião nesta terça-feira, 25, na Secretaria de Segurança Pública com a participação da Companhia de Trânsito de Macapá (CTMac) e do Sindicato dos Rodoviários. O objetivo foi discutir medidas para conter a onda de crimes praticados contra usuários do transporte coletivo na cidade. Os encaminhamentos da reunião devem ser apresentados ainda esta semana.

A reunião foi chamada em caráter de emergência depois que quatro bandidos deixaram passageiros aterrorizados em um assalto a ônibus na Rodovia Tancredo Neves, Bairro São Lázaro, na noite de segunda-feira, 24. Os criminosos entraram no ônibus com terçados e renderam a cobradora, agrediram a motorista e acenderam dois coquetéis molotov (bomba caseira feita de garrafas de vidro e álcool) e jogaram dentro do veículo dando início a um incêndio. As chamas foram rapidamente controladas por populares.

Órgãos de segurança reúnem para discutir medidas contra assaltos

Órgãos de segurança reúnem para discutir medidas contra assaltos

Segundo o Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários (Sincotrap), este ano um motorista foi baleado e 7 foram esfaqueados durante assaltos a ônibus em Macapá. “Existe um motorista que não pode mais trabalhar porque está doente dos nervos. A situação está incontrolável. Os motoristas do turno da noite estão aterrorizados em com muito medo. Em alguns casos eles deixam de pegar qualquer passageiro nos pontos mais críticos”, contou o presidente do Sincotrap, Genival Cruz.

Para a CTMac, medidas a curto prazo podem amenizar a situação. “Vamos atender a reivindicação do Sincotrap que é a mudança das catracas para frente do ônibus. Isso deve melhorar a segurança dos passageiros e do cobrador”, afirmou a diretora presidente da CTMac, Cristina Baddini.

Durante a reunião foi explanada a necessidade de câmeras nos ônibus, assim como, o botão do pânico e a intensificação da fiscalização na ponte Sérgio Arruda e nos bairros Pacoval, Brasil Novo, Infraero I e II e Jardim II, considerados os pontos mais críticos da Zona Norte.

Compartilhamentos