Compartilhamentos

O delegado titular da Delegacia Especializada em Crimes Contra o Patrimônio (DCCP), Paulo Rener, negou nesta terça-feira, 25, que o deputado eleito Pedro Da Lua (PSC) esteja sendo investigado por aquela delegacia. O esclarecimento foi prestado após notícias veiculadas nas redes sociais sobre a operação “Siameses”, que investiga o roubo de carros no estado e fraudes no Departamento de Trânsito do Amapá (Detran).

O delegado Paulo Rener disse que o deputado eleito foi citado porque um dos investigados trabalhou em sua campanha. “É importante frisar que não era objetivo da investigação apurar crime eleitoral. Os documentos foram encaminhados para a Justiça Eleitoral que irá dar o encaminhamento necessário para o caso”, disse o titular da DCCP, Paulo Rener.

De acordo com a assessoria jurídica do deputado eleito Pedro da Lua, “a Polícia Federal, que realizou um trabalho notável neste pleito, a fim de coibir abusos eleitorais, não tem qualquer processo de investigação eleitoral contra o deputado eleito, tampouco existem processos dessa natureza em curso, tanto no TRE quanto no TSE”. A assessoria solicitou certidões a todos esses órgãos para entrar com representação contra notícias caluniosas divulgadas nas redes sociais.

Compartilhamentos