Compartilhamentos

Crise

É uma questão de tempo o Amapá ficar inadimplente com o governo federal por causa da gigantesca dívida do Estado com a Amprev. A nova equipe econômica fez as contas e concluiu que o Estado não tem caixa, nem arrecadação suficientes para bancar uma prestação de R$ 39 milhões mensais durante os próximos 5 anos. Além disso, a legislação não permite parcelamento da dívida corrente. A crise é grave!

Consequências

Vale lembrar que se o Estado ficar inadimplente, o governo fica impedido de receber recursos federais para investimentos. Nem dinheiro de emenda parlamentar pode ser liberado.

Errando a mão

Raiva

A nova oposição é incansável na fiscalização do governo Waldez, mas em alguns momentos erra na mão e escreve coisas engraçadas nas redes sociais. Vale tudo, até culpar o novo governo pelo sorteio de vagas nas escolas de ensino médio, como se no governo Camilo os sorteios não existissem.  A ânsia tira a eficiência da crítica.

De ponta

deputados

E por falar em crítica, já tem deputado estadual torcendo o nariz para o atual governo, especialmente os mais novos. A maioria dos parlamentares apoiou a candidatura de Waldez no segundo turno, e agora cobra o cumprimento de acordos políticos, leia-se: indicações. Alguns acham que existe uma demora demasiada, mesmo pra um governo que está só há 27 dias no poder.

Governabilidade

Mas algumas lideranças na Assembleia não acreditam em ruptura, especialmente depois que o governo passado chegou ao limite da atuação política e por conta disso não conseguiu a reeleição. Pelo menos por enquanto, Waldez terá apoio quase que integral: são pelo menos 20 deputados na base de apoio. “Queremos que o governo dê certo. O governador está bem à vontade usar o critério técnico na composição de toda a equipe”, diz um parlamentar. 

Porto Grande

hidrelétrica

O Porto Grande vai receber 45% dos royalties gerados pela atividade das duas hidrelétricas que funcionarão no Rio Araguari, em Ferreira Gomes. É que a maior parte do reservatório ficará em Porto Grande, onde a orla será inundada até o início do ano que vem. Nos cálculos do prefeito de Porto Grande, Antonio Souza Pereira (PC do B), o município deve arrecadar perto de R$ 1,5 milhão por ano. A cidade ainda deve receber obras de infraestrutura como medidas compensatórias.

Lamentável

Deu pena de ver a situação do GTA. A base de operações, onde ficam motos e carros, mais parece um acampamento improvisado no interior do Estado. Apesar de ter anunciado uma nova licitação e a compra da aeronave até o fim do ano, o secretário de Segurança Pública, Gastão Calandrine, deve encontrar muitas dificuldades, a começar pelos critérios do novo edital que será uma concorrência pública internacional. 

Fusão

No PSC tem político que não aposta todas as fichas numa possível fusão com o PSDB, DEM e Solidariedade.   

Compartilhamentos