Compartilhamentos

Quem passa pelo trecho ainda sem pavimentação da BR-156 entre os municípios de Oiapoque e Calçoene diz que até agora nenhuma máquina foi vista no local para fazer a manutenção do trecho, apesar de ter uma placa no local indicando obras na estrada. Enquanto isso, os motoristas têm que enfrentar os atoleiros antes de seguir caminho.

Motoristas ariscam a vida nos atoleiros entre Oiapoque eCalçoene

Motoristas ariscam a vida nos atoleiros entre Oiapoque eCalçoene

A placa que foi colocada na área pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), diz que o trecho está em obras de manutenção, conservação e recuperação desde o dia 7 de novembro do ano passado e com conclusão prevista para o dia 6 de novembro de 2015. O valor da obra é de R$ 5,5 milhões. O problema é que não existe nenhuma mobilização na área que possa parecer com obras na estrada.

A placa do Dnit enfatiza ainda, que o trabalho é uma parceria entre o governo do Estado, através da Secretaria de Transportes (Setrap), e o governo federal, através do Dnit. Isso significa que Brasília entra com o dinheiro e o Estado com a contratação da empresa para fazer o serviço na estrada. Nada disso é visto por lá.

Motoristas e cobradores de ônibus ameaçam parar as viagens

Motoristas e cobradores de ônibus ameaçam parar as viagens

Motoristas que utilizam a BR para chegar ou sair do extremo norte do Estado, reclamam da situação. As empresas de ônibus já ameaçam parar porque os prejuízos começam a se acumular. O gerente de uma empresa de transporte, diz que os motoristas e cobradores não querem mais fazer viagem para Oiapoque devido a situação da estrada. “Os carros ficam atolados e os passageiros são obrigados a sair do ônibus e pisar na lama. Isso acontece todos os anos. É uma vergonha”, desabafa o gerente.

 

 

Compartilhamentos