Compartilhamentos

Equipes das polícias Civil, Militar e Rodoviária prenderam 5 pessoas acusadas de espalhar dinheiro falso no município de Oiapoque. A prisão e apreensão do material ocorreram por acaso durante uma operação que visava impedir a presença de menores em bares e casas noturnas.

O trabalho estava sendo realizado por equipes da PC, PM, Secretaria de Tributos da prefeitura, Conselho Tutelar, Ministério Público e Comissariado de Menores. Além de combater a presença de menores, o objetivo era verificar a situação legal dos estabelecimentos.

Por volta das 4 horas da madrugada deste domingo, 29, um informante relatou que uma quadrilha hospedada em uma pousada estava espalhando notas falsas de dinheiro.

Acusados disseram que receberam o dinheiro de uma mulher em Macapá. Fotos: Ciosp/Oiapoque

Acusados disseram que receberam o dinheiro de uma mulher em Macapá. Fotos: Ciosp/Oiapoque

“Colocamos o informante dentro de uma picape descaracterizada e peliculada da PC e fomos em comboio até a pousada. Ao chegar, o informante, que estava comigo na viatura, apontou que numa Saveiro estacionada e com os faróis ligados estavam os suspeitos”, explicou o delegado Charles Correa.

O carro foi abordado e durante a revista os policiais encontraram as notas. O dinheiro falso estava nas carteiras dos acusados. No quarto da pousada, os policiais encontraram mais 3 pessoas que seriam parte da quadrilha. Foram presos: Laerte Jarlan Cunha Cardoso, de 23 anos, Elielson Farias de Almeida, 19 anos, Clevison da Sulva Cunha, 28 anos, Bruno Silva Araújo, 23 anos, e Maykson Carlos da Silva Cunha, de 29 anos. 

Os acusados negaram que tenham produzido o “dinheiro”. Eles disseram que receberam de uma mulher em Macapá. Como se trata de crime federal, todos foram levados para a sede da Polícia Federal que assumiu o caso.

No total foram apreendidas 19 notas de R$ 100. Ainda não se sabe a quantidade que foi distribuída na cidade. Na sexta-feira, 27, a polícia já tinha sido avisada por funcionários do Banco do Brasil sobre a circulação de dinheiro falso na cidade.

 

Compartilhamentos