Compartilhamentos

O governo do Estado do Amapá pretende rescindir o contrato com a empresa BCO responsável pelas obras do píer do Santa Inês. Com 40% da estrutura pronta, a obra está paralisada há mais de um ano. Segundo a Secretaria de Estado da Infraestrutura (Seinf), a empresa não tem condições financeiras nem estruturais para concluir o projeto. Uma nova licitação só poderá ser realizada quando o atual contrato for extinto. Mas não existe uma data definida para isso.

A BCO foi um dos alvos da Operação Citrus da Polícia Federal deflagrada em novembro de 2013 nos estados do Amapá, Pará, Tocantins, Minas Gerais e no Distrito Federal. A empresa fazia parte de um esquema que desviou, segundo a Polícia Federal na época, R$ 45 milhões da Fundação Nacional de Saúde no Amapá (Funasa), com obras nos municípios de Laranjal do Jarí e Oiapoque.

A obra está parada há mais de um ano e sem prazo para ser retomada (foto: Érick Macias)

A obra está parada há mais de um ano e sem prazo para ser retomada (foto: Érick Macias)

A obra foi iniciada no dia 21 de junho de 2011 com conclusão prevista para agosto de 2012. O orçamento inicial do projeto ficou em  R$ 8 milhões. Mas até o último levantamento feito em 2013, já haviam sido efetivados dois aditivos num valor total de R$ 2 milhões, sem data para conclusão da obra.

Segundo a Seinf, o valor aditivado e o preço inicial eram suficientes para a conclusão do projeto. Atualmente a empresa enfrenta dificuldades financeiras e não consegue pagar os funcionários e muito menos comprar material para concluir a obra. ”A empresa pegou vários serviços e não conseguiu concluir o píer. Com tantos atrasos, falta de equipamento e cumprimento de prazos, a Seinf acredita melhor reincidir o contrato”, frisou o chefe de gabinete da Seinf, Marcos Jucá.

Desde a última quinta-feira, 26, que a Seinf aguarda resposta da Procuradoria Geral do Estado para reincidir o contrato. De acordo com Marcos Jucá, somente depois de uma posição da Prog é que a Seinf vai poder tomar as providências no sentido de retomar a obra.

Compartilhamentos