Compartilhamentos

No início da noite desta segunda-feira, 16, o Governo do Estado, por meio de nota, se posicionou sobre o bloqueio de contas do governador Waldez Góes (PDT) e do ex-secretário de Infraestrutura e atual presidente da Agência de Desenvolvimento do Amapá, Alcir Matos.  

O governo diz que a compra do terreno onde hoje está o Marabaixo IV (foto acima) não representou prejuízo aos cofres públicos, e afirma que, durante  curso do processo, não teve oportunidade de defesa.  A nota adianta que o governo irá recorrer da decisão pedindo a suspensão da decisão de bloqueio. Abaixo a íntegra da nota.

NOTA DE ESCLARECIMENTO

A respeito da decisão da juíza Fabiana da Silva Oliveira, da 4ª Vara Cível da Comarca de Macapá, que resultou no bloqueio das contas do governador Waldez Góes e do presidente da Adap, Alcir Matos, cumpre esclarecer:

1. Diferentemente do que menciona a decisão da magistrada, não há prejuízo ao erário já que a área de terra a qual se refere o processo, pertence ao Estado do Amapá de fato e de direito a partir da regularização das famílias ocupantes do lote;

2. Mesmo com a tramitação processual determinando que as partes fossem notificadas no mês de maio de 2014, até o presente momento isto não ocorreu;

3. O processo é denúncia de autoria do Estado do Amapá e não do Ministério Público Estadual, como foi erroneamente informado. O MP ingressou neste processo apenas em julho de 2014, enquanto fiscal da lei, e não como denunciante;

4. Sobre a decisão da juíza Fabiana Oliveira, a defesa vai agravar da decisão solicitando a suspensão de seus efeitos, uma vez que foi negado às partes, o direito à ampla defesa e ao contraditório, preceito que se constitui em cláusula pétrea da Constituição;

5- No curso do processo o Poder Judiciário terá todos os elementos para decidir sobre a questão e atestar a legalidade de todas as condutas.

Compartilhamentos