Compartilhamentos

A 1ª Vara do Tribunal do Júri de Macapá iniciou na manhã desta quinta-feira, 23, o julgamento de Josinei Ferreira Miranda, de 28 anos. Ele é acusado de matar e ocultar o cadáver do empresário Mário Ivo Sampaio, de 82 anos. O crime ocorreu em janeiro de 2014. Segundo o Ministério Público, o crime teria sido motivado por vingança.

O julgamento já tinha sido adiado cinco vezes a pedido da defesa que apresentou atestados médicos do réu e do advogado. Mário Ivo era pai de um empresário do setor de acessórios para veículos. Ele desapareceu no dia 27 de janeiro e só foi encontrado 4 dias depois na comunidade de Rio Ajudante, no município de Mazagão. 

O último aniversário: Ivo é festejo pela família 9 dias antes de ser assassinado. Foto cedida pela família

O último aniversário: Ivo é festejo pela família 9 dias antes de ser assassinado. Foto cedida pela família

“Nós estamos com a esperança que o julgamento termine hoje para que nossa dor também tenha fim. Já foram adiadas diversas vezes e nós queremos justiça pela vida tirada do meu pai”, ressaltou Francisco Portela, de 40 anos.

De acordo com as investigações, o crime teria sido planejado por Edilene da Silva Trindade, 34 anos, nora de Mário Ivo, para ajudar o amante Josinei que queria se vingar do aposentado. Quando era motorista de Ivo Sampaio, Josinei teria “sumido” com o carro e demorado a reaparecer. Quando voltou, houve um bate boca que terminou com a dispensa de Josinei do trabalho.

Auxiliar de acusação Charlles Bordalo: vingança

Auxiliar de acusação Charlles Bordalo: vingança

Edilene foi indiciada por homicídio qualificado, mas teve o pedido de prisão negado pelo juiz. O único preso do caso é Josinei. “Foi um crime cruel contra um idoso indefeso. Temos provas que Josinei não só ocultou o cadáver, mas também matou o empresário. Ele confessou o crime e nós não vamos medir esforços para condená-lo”, destacou Charlles Bordalo, advogado contratado pela família para auxiliar a promotoria na acusação.

Advogado de Defesa Augusto Pinheiro: réu estaria em casa na hora da morte

Advogado de Defesa Augusto Pinheiro: réu estaria em casa na hora da morte

A defesa de Josinei alega que Edilene pediu a ele ajuda para ocultar o corpo porque conhecia o réu conhecia a vítima. O acusado tinha sido motorista da família. “Ele nunca teve caso com a nora (Edilene) de seu Ivo. O próprio laudo médico comprova que a vítima foi morta por volta de meia-noite, horário em que Josinei estava em casa. Ele apenas ocultou o cadáver”, explicou o advogado de defesa, Augusto Pinheiro.

Lucivaldo Portela, filho da vítima: família quer a pena máxima

Lucivaldo Portela, filho da vítima: família quer a pena máxima

Josinei é acusado de homicídio qualificado, corrupção de menores e ocultação de cadáver. Outras duas pessoas foram presas pelo crime. São elas Gabriel Brandão de Souza, acusado de ajudar Josinei a ocultar o cadáver de Mário Ivo Sampaio, e uma adolescente de 14 anos que também teria ajudado no crime atraindo o aposentado para uma armadilha.

“Nós não aguentamos mais essa injustiça. Queremos que o acusado tenha pena máxima pelo crime hediondo praticado contra um idoso. Ele tem que pagar pelas esperanças sepultadas com meu pai. Mesmo depois de tanto tempo ainda não aceitamos essa fatalidade”, comentou emocionado Lucivaldo Portela.

Sete jurados são responsáveis pela absolvição ou condenação de Josinei. Segundo o Tribunal do Júri, o julgamento deve terminar por volta das 22 horas. O julgamento está sendo conduzido pelo juiz Erik Siebel. Hoje serão ouvidas 8 testemunhas mais as teses de defesa e acusação.

Compartilhamentos