Compartilhamentos

No próximo dia 24, cerca de 120 dançarinos irão disputar 16 vagas para participar da “Batalha Amapá”, a competição de hip-hop que atrai para Macapá dançarinos das regiões Norte e Nordeste. Este ano o evento será utilizado pela Red Bull como seletiva para a final nacional na Bahia. O campeão terá a chance de representar o Brasil no mundial na Itália.

O hip-hop é uma dança de rua que nasceu nos guetos americanos nos anos de 1970 para substituir a violência das brigas entre gangues. No Amapá a dança que mistura acrobacia com passes de break e outros segmentos da dança contagiou a juventude nos 16 municípios.

Há 11 anos, o Instituto de Cultura Hip-Hop promove a Batalha Amapá. “Já estão confirmados dançarinos do Acre, Roraima, Rondônia, Pará, Pernambuco, Maranhão e de outros estados das duas regiões”, comenta Zulu, o presidente da ONG.

No dia 24, o chamado “filtro” irá escolher os 16 melhores dançarinos. A seleção será realizada por jurados do Amapá e de outros estados. Os escolhidos subirão ao palco do Teatro das Bacabeiras a partir das 17 horas para a Batalha Amapá.

Os dois melhores irão para a Bahia, no dia 16 de maio, disputar a final nacional promovida pela Red Bull. Além de um prêmio de R$ 5 mil, o campeão vai para a Itália, onde no dia 14 de novembro ocorre o campeonato mundial.

Na história do hip-hop dois brasileiros já conquistaram o título de melhor B.Boy do mundo: “Pelezinho” e “Neguim”. O atual campeão é o coreano B. Boy Hong Ten.

Compartilhamentos