Compartilhamentos

O grupo musical mais badalado do Amapá nos anos 60 esperou 5 décadas para lançar o 1º CD. Formado por profissionais das mais diversas áreas (tem jornalista, delegado polícia e professor), o Conjunto os Cometas lançou neste sábado, 25, na Associação dos Empregados da Eletronorte (Aseel), o trabalho que é a compilação de uma época.

A banda foi formada há 53 anos e marcou os grandes bailes do passado. O conjunto foi criado em 1962 por então 8 jovens comandados por Mestre Oscar Santos, autor da Canção do Amapá, o hino oficial do Estado.

Formação original

Formação original

Eram todos alunos da Escola Industrial, que posteriormente passou a se chamar Ginásio de Macapá para o Trabalho (GM), atual Escola Estadual Antônio Cordeiro Pontes. Logo o grupo, recheado de talentos, ganhou notoriedade nos bailes dançantes de Macapá, Serra do Navio (nos áureos tempos da Icomi), Oiapoque e Santana.

A formação original incluía Luiz Almeida (baixo), José Espíndola (sax), Assunção (trompete), Ricardo Charone (piano), Roberval Cavalcante (bateria), Pedro (Guitarra), Carlos Fernando de Moraes – Nando (Vocalista) e o ritmista Raimundo Simião. Os jovens se tornaram a “banda oficial da Icomi”. 

Ensaio para o show histórico neste sábado, 25

Ensaio para o show histórico neste sábado, 25

“Lembro que antes disso só quem tocava em Macapá eram os conjuntos de Belém, que agitavam os grandes bailes. Uma realidade que mudou quando resolvemos montar a banda, que passou a ser a principal pedida das festas da cidade, principalmente da Icomi. Tinha vezes que fazíamos dois shows seguidos, um em Serra do Navio e em Santana, para os funcionários da empresa que residiam nos dois municípios”, recorda o baterista Roberval Cavalcante.

Ele explica que o nome surgiu por conta de uma “estrela cadente” que foi avistada por todos os integrantes em uma noite de passeios pela Praça Barão do Rio Branco.

“Logo levamos o nome ao Mestre Oscar que gostou muito. Era o início da banda que na época ainda não havia tocado para um grande público, apenas para os alunos da Escola Industrial”, acrescentou Roberval.

Roberval Cavante: grupo ficou 30 anos separado

Roberval Cavante: grupo ficou 30 anos separado

Na época os músicos tinham em média 17 anos e ensaiavam todos os dias na casa da família de Roberval, que na época era localizada na Rua Coriolano Jucá, próximo ao que hoje é hoje a Loja Maçônica.

Quando o sucesso começou, Os Cometas receberam novos integrantes, os músicos Sebastião e Joaci Mont’Alverne, Valfredo Costa e Célia Mont’Alverne. Em seguida entrou o tecladista Aimoré, que entrou no lugar de Ricardo Charone. 

Conjunto ensaiava na casa do baterista, na Avenida Coriolano Jucá. Foto: Álbum de família

Conjunto ensaiava na casa do baterista, na Avenida Coriolano Jucá. Foto: Álbum de família

 

Já nos últimos anos, em meados dos anos 70, a banda passou a contar a voz potente de Humberto Moreira, que já era jornalista na época e cantava na noite. Mas a banda não seguiu por muito tempo. Em 1973, os integrantes queriam se dedicar aos estudos, e o grupo se dissolveu. O reencontro só ocorreria em 2004, 30 anos depois.

“Foi o momento de relembrarmos os grandes bailes do passado e com um novo projeto, o de deixar um CD gravado para que toda a história não ficasse apenas nas fotos, uma pena que o projeto só se consolidou no final de 2014, quando já não contávamos com a presença terrena de quatro dos oito fundadores (Assunção, Luiz Almeida, Pedro e Ricardo Charone) já falecidos”, lamentou o batista.

Show na Escola Industrial

Show na Escola Industrial

Hoje a banda é formada por professores, jornalista, piloto de avião, odontólogo, funcionário federal, todos aposentados. O CD foi gravado no início do ano com as músicas que atravessaram gerações, de Beatles aos estilos caribenhos que esquentavam os bailes das décadas de 60 e 70 no Amapá. Ótima pedida pra sábado.

Reportagem: Anderson Calandrini

 

Compartilhamentos