Compartilhamentos

As hidrelétricas construídas no rio Araguari (Cachoeira Caldeirão, Ferreira Gomes Energia e Coaracy Nunes) têm de apresentar seus planos de contingência e emergência, para garantir com que incidentes como a enchente ocorrida no dia 07 deste mês, que atingiu 1.400 pessoas no município de Ferreira Gomes, não voltem a acontecer.

Os planos para os casos emergência foi um pedido feito pelo Instituto do Meio Ambiente e de Ordenamento Territorial do Estado do Amapá (Imap), em uma reunião que aconteceu na terça-feira, 12. “Sabemos que o que aconteceu em Ferreira Gomes não foi um incidente natural, por isso reunimos os representantes das empresas para cobrar esse plano de ação. Isso é importante para evitar com que novas enchentes aconteçam”, explicou o diretor-presidente do Imap, Luis Henrique Costa.

Os planos de emergência visam evitar que cenas como esta não sejam mais vistas

Os planos de emergência visam evitar que cenas como esta não sejam mais vistas

O pedido do Imap tem como base uma recomendação emitida pelo Ministério Público do Estado (MPE) com anuência do Ministério Público Federal (MPF). Além de cobrar os planos de ação das empresas, os órgãos de fiscalização se comprometeram em promover dentro de 90 dias o licenciamento corretivo da UHE Cachoeira Caldeirão.

Os planos emergências começarão a ser montados nesta quinta-feira, 14, em mais uma  reunião. Desta vez com a presença da Eletronorte, que não participou do último encontro.

Quanto as investigações sobre as causas do incidente, o Imap solicitou às hidrelétricas os relatórios emitidos no dia 07, no momento em que a enxurrada invadiu a cidade de Ferreira Gomes. Tudo será anexado aos laudos que fazem parte das investigações sobre o caso.

Foto da capa: Cleiton Sousa

 

Compartilhamentos