Compartilhamentos

De acordo com o Seguro Obrigatório Contra Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre (DPVAT) mais de 40% dos pedidos de indenização são de pessoas que não sofreram acidentes de verdade. Elas forjaram documentos para tentar receber o dinheiro do seguro. Os falsos acidentados são colocados em uma lista e encaminhados à polícia. O número de pessoas que tentaram fraudar o DPVAT no Amapá já passa de 5 mil.

De acordo com dados do Sindicato de Corretores de Seguros do Estado do Amapá (Sincorap), até junho de 2014 o Amapá possuía 156 mil veículos, sendo que 30% estavam inadimplentes com o DPVAT. Mas a grande surpresa é o número absurdo de pedidos de indenização.

O número grande de pedidos de indenização comparado ao número de acidentes chamou atenção da fiscalização

O número grande de pedidos de indenização comparado ao número de acidentes chamou atenção da fiscalização

O seguro DPVAT é uma garantia constitucional para danos pessoais causados por acidentes de trânsito a toda população brasileira. O valor do seguro de seis categorias pode ser encontrado no site da seguradora amapaense.

“Recebemos muitos pedidos de reembolso. Observamos que muitos eram assinados por um mesmo médico ou advogado. Mas, como temos um filtro de quem se envolve em acidentes, identificamos que muitos eram pedidos falsos”, explicou o presidente do Sincorap, Coelho Neto.

Coelho Neto: as pessoas identificadas na fraude são levadas à polícia

Coelho Neto: as pessoas identificadas na fraude são levadas à polícia

A identificação das fraudes acontece através das análises de documento, como boletim de ocorrência e o registro de entrada no hospital. Muitos desses documentos são adulterados, inclusive com assinaturas falsas. Existem casos de pessoas que tiram cópias de processos anteriores e tentar usar os documentos.

De acordo com o diretor, pessoas que foram identificadas dando entrada em reembolso falso podem ser punidas, principalmente se for comprovada que não houve acidente nenhum. Casos assim, já formam um grande número de processos no DPVAT, além de ocupar o tempo das atendentes que poderiam estar resolvendo situações reais.

Apesar das guias serem emitidas separadamente do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA), o diretor pede que pessoas que sofreram acidentes ou tiveram parentes envolvidos procurem a seguradora localizada na Avenida Pedro Baião, Nº111B, no Centro, com documentos em mãos.

 

Compartilhamentos