Compartilhamentos

Obrigado Senhor, pela mãe que me você me deu, por todas as mães do mundo, pelas mães brancas, pelas pardas, morenas, índias, por todas. Pelas ricas, pelas pobrezinhas, pelas mães-avós, pelas madrastas mães, pelas professoras mães.

Pela mãe, que embala no colo o filho que, apesar de biologicamente não ser seu, lhe pertence pelo gigantesco amor que preenche todo o seu coração. Pela saudade querida, da mãe que já partiu. Pelo amor latente em todas as mulheres que desperta o sentir desabrochar em si, uma nova vida.

Pelo amor, maravilhoso amor que une mães e filhos. Às mães que apesar do cansaço, dores e trabalhos diários, sorriem e felizes, com os filhos amados ao peito, ao colo ou em seu redor.

Às que choram doloridas e inconsoláveis a perda física de seus filhos. Às mães ainda meninas, e às menos jovens, que contra ventos e marés, ultrapassando dificuldades de toda a ordem, têm a valentia de assumir uma gravidez, talvez inoportuna e indesejada, por saberem que a vida é sempre um bem maior e um dom que não se discute e, muito menos, quando se trata de um filho seu, pequeno ser frágil e indefeso que lhe foi confiado.

Obrigado pela mãe, que embala no colo o filho que, apesar de biologicamente não ser seu, lhe pertence pelo gigantesco amor que preenche todo o seu coração.

Obrigado pela mãe, que embala no colo o filho que, apesar de biologicamente não ser seu, lhe pertence pelo gigantesco amor que preenche todo o seu coração.

Às mães que souberam sacrificar uma talvez brilhante carreira profissional, para doarem às prioridades da maternidade, e à educação dos seus filhos e às que, quantas vezes precisamente por amor aos filhos, souberam ser firmes e educadoras, dizendo um “não” oportuno e salvador a muitos dos caprichos dos seus filhos adolescentes.

Às mães precocemente envelhecidas, gastas e doentes, tantas vezes esquecidas de si mesmas e que hoje se sentem mais tristes e magoadas, talvez por não terem um filho que se lembre delas, de as abraçar e beijar.

Às mães solitárias, paradas no tempo, não visitadas, não desejadas, e hoje abandonadas num qualquer quarto, num qualquer lar, na cidade ou no campo, e que talvez não tenham hoje, nem uma pessoa amiga que lhes leia ao menos uma carta dum filho.

Mae-bebe

Também às mães que não tendo dado à luz fisicamente, são mães pelo coração e pelo espírito, pela generosidade e abnegação, para tantos que por mil razões não tiveram outra mãe.

E finalmente, também às mães queridíssimas que já partiram deste mundo e que por certo repousam já num céu merecido e conquistado a pulso e sacrifício, mas que nunca serão esquecidas pelo amor que aqui plantaram.

A todas as mães, a todas sem exceção, um abraço e um beijo cheios de simpatia e de ternura! E Parabéns, mesmo que ninguém mais vos felicite! E obrigado, mesmo que ninguém mais vos agradeça!

Você tem um valor inestimável. Feliz Dia das Mães!

Compartilhamentos