Compartilhamentos

Além dos alvos costumeiros como mercantis e postos de gasolina, assaltantes passaram agora a mirar nas paradas de ônibus de Macapá, geralmente cheias de trabalhadores com celulares, notebooks, carteiras e relógios.  As ocorrências são diárias. Na noite de quarta-feira, 6, os criminosos usaram até uma espingarda de cano serrado para render a vítima que reagiu e escapou de um tiro.

A vítima, que pediu para não ser identificada, trabalha na rádio Unifap e ia para o trabalho por volta das 22 horas.  Ele aguardava o ônibus em uma parada em frente ao Hospital São Camilo quando chegaram dois homens em uma motocicleta Biz vermelha segurando uma espingarda. Eles apontaram a arma no peito da vítima e exigiram os pertences.  Provavelmente escolheram a vítima pelo celular que era usado no momento da abordagem.  

Arma usada no crime. Fotos e reportagem: Jair Zemberg

Arma usada no crime. Fotos e reportagem: Jair Zemberg

O rapaz, que tinha comprado o celular no dia anterior,  decidiu reagir. Houve luta corporal e os bandidos chegaram disparar errando o alvo. No meio do empurra-empurra eles conseguiram imobilizar a vítima desferindo um golpe com o cabo da espingarda na cabeça dele.  Os assaltantes fugiram com a mochila e o celular da vítima que foi atendida no Hospital São Camilo.

Uma equipe do 1º Batalhão da PM liderada pelo sargento John, policial conhecido pelo empenho na caçada a bandidos, fez muitas diligências no Bairro Santa Rita até que na Avenida Silas Salgado, no cruzamento com a Rua Santa Catarina, avistou um grupo de rapazes bebendo na calçada. Ao lado estava uma moto com as mesmas características da utilizada no crime.

Moto estacionada ao lado do grupo chamou a atenção dos policiais

Moto estacionada ao lado do grupo chamou a atenção dos policiais

Os rapazes, dois deles menores, acabaram confessando o crime e mostrando a casa onde tinham guardado a arma. O dono da casa, que seria também o dono da espingarda, Bruno Ferreira de Souza, foi levado para a delegacia de polícia junto com os menores de 17 e 16 anos e José Luiz da Costa, de 27 anos, que também teria participado do crime.  

Um dos menores envolvidos no crime

Um dos menores envolvidos no crime

Compartilhamentos