Compartilhamentos

Policiais militares prenderam por acaso o homem acusado de matar um catador de latinhas no ano passado no Bairro Cidade Nova, Zona Leste de Macapá. Ele foi flagrado numa abordagem de rotina com munição de pistola, e na delegacia os policiais descobriram que se tratava do mesmo homem que a Polícia Civil já vinha procurando pelo assassinato.

Michel: preso com munição pela PM, mas procurador pela Civil por homicídio. Foto: Jair Zemberg

Michel: preso com munição pela PM, mas procurador pela Civil por homicídio. Foto: Jair Zemberg

O acusado foi preso ontem à tarde por uma equipe do 6º Batalhão da PM depois de perseguição a uma motocicleta no Cidade Nova. “Fomos acionados pelo Ciodes de que uma pessoa havia acabado de ser assaltada. Vimos os suspeitos e fizemos o acompanhamento tático (perseguição) até alcançá-lo”, explicou o sargento da PM Jorge Sá. 

Depois de ser encontrado com munição ilegal, o suspeito foi levado para o Ciosp do Pacoval onde a equipe descobriu um mandado de prisão contra ele por homicídio. O crime ocorreu no dia 15 de novembro, feriado da Proclamação da República, numa área de pontes do Cidade Nova.

Em depoimento na delegacia, ele confessou o assassinato, e disse que tinha passado a noite inteira bebendo, mas não soube explicar porque esfaqueou o catador de latinhas Manoel Custódio Barbosa, de 50 anos. 

“Ele disse que estava doidão e que não lembra o motivo. Mas afirma que não conhecia a vítima. Nós já tínhamos identificado ele, só que depois do crime ele ficou transitando entre Macapá o arquipélago do Bailique. Pra você ver como a polícia age, independentemente da classe social em que o crime foi cometido”, ponderou o delegado Ronaldo Coelho, da Delegacia de Crimes Contra a Pessoa (Decipe)  

Michel de Souza Freitas, 18 anos, foi interrogado na noite de quarta-feira, e será transferido para o Iapen nesta quinta.  Ele é conhecido como Michel, da gangue PCP.

Compartilhamentos