Compartilhamentos

Na quarta-feira que vem, dia 1º, o Pleno do Tribunal de Justiça realiza sessão para definir a lista tríplice que será encaminhada ao governador do Estado, Waldez Góes (PDT), a quem caberá escolher o novo desembargador do Tribunal de Justiça. A definição sairá de uma relação com seis nomes encaminhada pelo Ministério Público do Estado. Dos seis, pelos menos três tem grandes chances de substituir o desembargador Luis Carlos Gomes dos Santos, que se aposentou em janeiro. Currículo e prestígio são os principais critérios na escolha final, mas no tribunal irá contar currículo, histórico no MP e produtividade.

A lista sêxtupla foi definida a partir de votação este ano e a ordem  dos nomes obedece a pontuação que cada um obteve. São os procuradores Fernando Luis França (5 votos); Nicolau Eládio Bassalo Crispino (4 votos); Joel Souza das Chagas (3 votos); Manoel de Jesus Brito (3 votos); Jaime Henrique Ferreira (3 votos) e a promotora Alessandra Moro de Carvalho (3 votos).

Desses, alguns despontam como favoritos.  Apesar de ter ficado em segundo na quantidade de votos, Crispino aparece como forte candidato, principalmente pela relação que tem com alguns desembargadores que, assim como ele, também são professores.

No ano passado, Camilo Capiberibe precisou de pouco tempo pra escolher Carlos Tork. Foto: Arquivo

No ano passado, Camilo Capiberibe precisou de pouco tempo pra escolher Carlos Tork. Foto: Agência Amapá

Crispino é doutor em Direito e professor na Unifap. Além disso, tem boa relação com membros do governo. Os procuradores Jaime Henrique Ferreira e Fernando França também possuem currículos bons e aceitação razoável no Setentrião. Além disso, são considerados nomes de diálogo. 

A partir do momento em que a lista for definida e enviada, Waldez Góes terá 20 dias de prazo para anunciar o nome do novo desembargador.  Mas o anúncio pode ser feito antes. No ano passado, o então governador Camilo Capiberibe (PSB) levou poucos dias para anunciar o nome do advogado Carlos Tork, atual presidente do Tribunal Regional Eleitoral. 

Compartilhamentos