Compartilhamentos

Médicos da rede estadual realizaram um protesto em frente a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) na manhã desta quarta-feira, 24. Eles reivindicam melhores condições de trabalho e atendimento humanizado à população. Os profissionais anunciaram uma paralisação de 24 horas.

Segundo o Sindicato dos Médicos do Amapá (Sindmed-AP), em algumas unidades hospitalares faltam medicamentos e curativos que seria o básico para se trabalhar. Além disso, a estrutura física dos prédios não oferece condições de atendimento à comunidade.

De acordo com o Sindmed, o Estado possui cerca de 700 médicos, quase metade atua nos municípios de Macapá e Santana.

Helen Melo: esse protesto visa chamar atenção para os problemas

Helen Melo: esse protesto visa chamar atenção para os problemas

“Faltam leitos, remédios, curativos. Para se ter uma ideia, já aconteceram casos de médicos pararem cirurgias porque não havia colírio, uma simples pomada ou produtos para assepsia. Imagine o transtorno para o paciente e para o médico”, frisou a presidente do Sindmed, Helen Melo.

Os médicos ficam de braços cruzados até às 7 horas de quinta-feira, 25. Por enquanto apenas 30% dos profissionais estão trabalhando normalmente. Foram suspensas todas as consultas e cirurgias agendadas para esta quarta-feira.

“Nós estamos insatisfeitos com  a realidade da saúde pública no Amapá. Não vamos ser coniventes com isso. Esse é o nosso grito de basta e de socorro”, declarou o médico, Rafael dos Santos.

A assessoria de comunicação da Sesa informou que vai se posicionar sobre o assunto por meio de uma nota, mas adiantou que o Estado passa por um momento de crise financeira e todos devem ter consciência desse impacto nos serviços essenciais para a sociedade.

 

Compartilhamentos